Olhar de Mona Lisa? Não existe no quadro que lhe deu nome

Estudo realizado na universidade de Bielefeld mostra que o olhar da "Gioconda" não segue quem observar o quadro, mas incide sobre a orelha direita ou ombro do observador. O "efeito Mona Lisa" existe, dizem os investigadores, mas não neste quadro

Já teve a sensação de que os olhos de Mona Lisa, na célebre La Gioconda de Leonardo da Vinci, o seguem pela sala depois de olhar para o quadro? Foi essa sensação que inspirou o fenómeno científico conhecido como "efeito Mona Lisa", que dá nome à perceção de que a figura de uma imagem olha diretamente para o espectador, independentemente de onde este se posicione.

Mas de acordo com um recente estudo feito por investigadores da universidade alemã de Bielefeld, que surge na publicação especializada i-Perception, se há uma pintura onde esse efeito não se verifica é justamente naquela que lhe deu o nome. Segundo o estudo, o olhar de Mona Lisa dirige-se num ângulo de 15 graus para a direita do observador, incidindo sobre a sua orelha direita ou sobre o ombro.

Em vez de simplesmente perguntar aos 24 participantes se sentiam ou não que o olhar de Mona Lisa os seguia pela sala, o estudo foi feito pedindo-lhes que medissem a direção do olhar com uma régua de dois metros colocada horizontalmente entre eles e a pintura, projetada num ecrã de computador.

O estudo cita outros, anteriores, que mostram que o "efeito Mona Lisa" ocorre quando o olhar da figura no quadro ou ecrã está entre 5 graus para a esquerda ou para a direita. Na própria Gioconda, contudo, os participantes do estudo registaram um ângulo médio de 15,4 graus para a direita.

"Não há dúvidas acerca da existência do 'efeito Mona Lisa'", concluíram Gernot Horstmann, professor assistente do Centro de Excelência - Tecnologia de Interação Cognitiva, e de Sebastian Loth, investigador. "Apenas não acontece na própria Mona Lisa", cita a CNN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.