Nuno Xico: o português que faz os vídeos de Madonna

O editor e realizador português mudou-se para Nova Iorque em 2010 e colabora com Madonna desde a MDNA Tour. Também está com ela em "Madame X".

Madame X, anunciou a cantora norte-americana Madonna este domingo, será lançado em breve e será o primeiro álbum de Madonna desde Rebel Heart, de 2015. No vídeo de apresentação de Madame X , publicado no Instagram, Madonna tagou apenas duas pessoas: o fotógrafo e realizador Steven Klein e o realizador e editor de vídeo Nuno Xico, um americano e um português.

Poder-se-ia pensar que Madonna teria conhecido Nuno Xico nestes últimos tempos que passou em Lisboa - tal como conheceu os músicos Dino D'Santiago e Branko, o pianista João Ventura, a fadista Celeste Rodrigues, a cantora Lura e outros artistas portugueses. Mas não. Xico, à semelhança de Klein, é um antigo colaborador de Madonna, "atualmente a morar em Nova Iorque e a adorar cada momento", como se lê no seu site oficial.

Uma breve nota biográfica dá-nos algumas pistas sobre o percurso de Nuno Francisco, de 40 anos: "Após uma carreira de sucesso em Portugal, a crescente ambição de Nuno Xico levou-o até Nova Iorque. O seu tato criativo, técnica e paixão pelas imagens em movimento resultaram em colaborações sublimes com clientes como Madonna, Steve Klein, BMW, Beyoncé, Justin Timberlake, Adele, Clinique, Italian Vogue, Fabrizio Ferri, Tom Ford Dior e outros".

Com uma licenciatura em publicidade e marketing, Nuno Xico estou na ETIC e começou a trabalhar como editor de vídeo no programa Dance TV, da SIC Radical, em 2003. Depois trabalhou como freelancer, sobretudo em publicidade. "Sentia que, com aquela idade, já não iria fazer mais nada de diferente. Em Portugal não dava", explicou numa entrevista à Notícias Magazine. "Eu só queria viver a sério, desconstruir o que tinha aprendido e começar do zero."

Em 2010 mudou-se para Nova Iorque. Os primeiros tempos não foram fáceis mas acabou por arranjar emprego numa produtora e começou a fazer alguns contactos. Desde que está nos EUA, participou em campanhas de Calvin Klein, Bottega Veneta, Dior, Tommy Hilfiger e Tiffany & CO, e em parcerias com as revistas Elle, GQ ou Vogue. Teve também colaborações com marcas como a Reebok e a IKEA e em publicidade institucional da Amnistia Internacional, entre outros projetos.

Em 2012 Nuno começou a colaborar com Madonna. Tudo começou por acaso. Um amigo seu realizou um vídeo de 18 minutos do workshop de Madonna quando ela estava a escolher os bailarinos que a iriam acompanhar na MDNA Tour. O amigo pediu a Nuno que editasse esse vídeo e a cantora gostou tanto do resultado que pediu para trabalhar com ele mais vezes.

No ano seguinte, trabalhou com Madonna e Steve Klein em Secret Projet Revolution, uma curta-metragem política de 17 minutos em prol da liberdade artística, e foi nessa altura que conheceu de facto a rainha da pop.

Nessa entrevista de 2016, Nuno recordava o dia em que conheceu a cantora: "Estava supernervoso, mas passados cinco minutos esqueces-te que é a Madonna. Ela é supernormal, cool, tem um sentido de humor brutal. E é muito boa naquilo que faz. É maravilhoso trabalhar com pessoas como a Madonna, uma boss da disciplina e do rigor. Percebe imenso de realização e aprendi imenso com ela. Muitas vezes ela só quer que eu a surpreenda, diz 'faz o que quiseres'. Por vezes há notas, mas acho que temos uma estética muito semelhante."

De então para cá, Nuno tornou-se um dos colaboradores habituais de Madonna, na maioria dos casos como editor de vídeo mas por vezes também como realizador: fez o filme de Bitch, I'm Madonna, acompanhou a digressão de Rebel Heart, assim como o lançamento dos produtos da marca de cosmética dela, MDNA Skin.

Apesar não pensar em voltar para Portugal, Nuno Xico vem visitar os amigos e a família pelo menos uma vez por ano. E, nos últimos meses, veio também para trabalhar. Com Madonna. Esteve, por exemplo, no Panorâmico de Monsanto, quando a cantora filmou com a fadista Fábia Rebordão:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.