Novo filme de James Bond já tem título oficial

Daniel Craig voltará a ser o protagonista e Rami Makel será o seu vilão.

"No Time To Die" é o título do novo filme de James Bond, anunciou esta terça-feira a conta oficial do 007 no Twitter.

Daniel Craig vai manter-se como protagonista do vigésimo quinto filme da saga sobre o famoso agente secreto, que integra ainda a atriz francesa Léa Seydoux, no papel de Madeleine Swann, o britânico Ralph Fiennes, a interpretar "M" - o chefe de James Bond -, Ben Whishaw, enquanto Q, e Jeffrey Wright, que voltará a retratar Felix Leiter.

Em abril, o realizador de "No Time To Die", Cary Fukunaga anunciou duas novidades no elenco do filme: Rami Malek, que interpretará o vilão de James Bond, e Ana de Armas, conhecida pelo papel de Joi no filme Blade Runner 2049.

"Time To Die" começa com James Bond a desfrutar das praias paradisíacas da Jamaica. No início do filme, Bond "não está ao serviço [de Sua Majestade], mas a divertir-se na Jamaica", disse a produtora Barbara Broccoli. Tudo muda quando Bond tem uma nova missão pela frente: resgatar um cientista raptado. Uma missão do agente secreto que acaba por ser "mais traiçoeira do que o esperado, levando Bond a perseguir um misterioso vilão, armado com uma nova e perigosa tecnologia", segundo revela comunicado, citado pelo The Guardian.

Para além da Jamaica, também a Noruega, Inglaterra e Itália são palco das aventuras de Bond no novo filme, que tem estreia marcada no Reino Unido, a 3 de abril de 2020.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.