Morreu a atriz brasileira Beatriz Segall

Conhecida por representações em telenovelas como Vale Tudo, O Clone ou Anjo Mau, a atriz tinha 92 anos

Beatriz Segall estava internada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde a sua morte foi anunciada nesta quarta-feira sem especificar o que a causou, segundo os media brasileiros.

A atriz brasileira tinha 92 anos e uma carreira de mais sete décadas no teatro e na televisão, da qual se destaca a vilã Odete Roitman que interpretou na telenovela Vale Tudo (1988).

"Até hoje eu sou chamada Odete na rua. Em Cuba me chamaram de Dona Odete", afirmou a atriz, citada pelo G1. "Criou-se um mito, que atrapalha um pouco, de sempre fazer papel de chique, de bem-vestida. Eu queria fazer o papel de uma mulher bem povão, mas o público não aceitou", confessou ainda.

Os seus últimos trabalhos na Globo, onde começou na novela Dancin' days, foram em Lado a lado (2012) e na série Os experientes (2015).

Muitos antes da televisão e do cinema, em que também trabalhou, Beatriz de Toledo, o seu nome de solteira antes de casar com Maurício Segall, estreou-se no teatro em Manequim, de Henrique Pongetti, no Teatro Popular de Arte. Depois de se juntar aos Artistas Unidos, recebeu uma bolsa do governo francês para estudar francês e teatro na Universidade Sorbonne, em Paris, recordava nesta quarta-feira o jornal O Globo.

Teve três filhos, entre eles o realizador Sérgio Toledo. Nos anos 1970, foi responsável pelo renascimento do paulista Theatro São Pedro com o marido Maurício Segall, que acabaria por ser preso e torturado por participar na luta contra o regime militar.

Beatriz Segall estivera já internada no mesmo hospital, mas havia recebido alta no dia 21 de agosto. A data de entrada mais recente no hospital não é conhecida.

O corpo da atriz carioca será cremado amanhã, quinta-feira, em Cotia, São Paulo.

As reações à morte de Segall multiplicam-se:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.