Miss EUA ridiculariza inglês das misses Camboja e Vietname

Concorrente imitou expressão da miss Camboja ao ouvir uma pergunta em inglês o vídeo onde aparece com as misses Austrália e Colômbia, acabou partilhado no Instagram. Reações obrigaram modelo a pedir desculpas.

Sarah Rose Summers tem a coroa de Miss EUA e está a defender o seu país no concurso Miss Universo 2018. No entanto, acabou por dar nas vistas pelos piores motivos. Apareceu num vídeo onde brinca com as capacidades de falar inglês de duas das suas oponentes: a Miss Camboja e a Miss Vietname.

No vídeo onde também aparecem a rir as misses Austrália e Colômbia, Sarah Rose Summers diz sobre a H'Hen Nie, Miss Vietname: "Ela é tão querida e finge que sabe falar inglês e depois tu perguntas-lhe alguma coisa, depois de uma grande conversa, e ela faz assim... [faz gesto a acenar a cabeça que sim e a sorrir]". As outras duas misses riem da imitação da norte-americana.

Ainda no mesmo vídeo, Sarah Summers refere ainda que a Miss Camboja não sabe falar inglês e que se deve sentir muito isolada. Elogiando as capacidades de inglês da Miss Colômbia que refere que o seu espanhol lhe permite falar com a Miss Brasil, já que esta também não fala inglês. No entanto, lembra a norte-americana há outra concorrente que fala português, pelo que a rainha da beleza brasileira não se deve sentir tão isolada como a cambojana.

As críticas não tardaram a chegar, o que obrigou a norte-americana a pedir desculpa.

Num post partilhado no Instagram na sexta-feira, a detentora da coroa da beleza norte-americana admite que a Miss Universo "é uma oportunidade para mulheres de todo o mundo aprenderem sobre as culturas das outras, as experiências de vida e os seus pontos de vista". Acrescentando que "num momento em que pretendia admirar a coragem de algumas das suas irmãs, disse coisas que percebo agora podem ser entendidas como desrespeitosas, e por isso peço desculpa."

A Miss Universo está a decorrer em Banguecoque, na Tailândia. A final é transmitida este domingo, 16 de dezembro. Portugal está a ser representando por Filipa Barroso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.