Metropolitan vai devolver antiguidade roubada que custou quase quatro milhões

O caixão revestido a ouro datava do século I a.C. e terá sido roubado ao Egito em 2011. Met, que terá sido enganado quando o adquiriu, em 2017, já aceitou devolvê-lo.

O Metropolitan Museum of Art (Met), em Nova Iorque, pagou quase quatro milhões de euros pelo caixão revestido a ouro, datado do século I a.C., que pertenceria a Nedjemankh, importante sacerdote do deus egípcio Hersafes, e que era a estrela da exposição inaugurada no ano passado Nedjemankh and His Gilded Coffin.

Nesta semana a exposição fechou abruptamente, antes da data prevista, depois de o Met ter acedido a devolver aquele objeto ao Egito. Afinal, fora roubado em 2011, conta o The New York Times, citando a investigação.

As autoridades do museu disseram ter pago, em 2017, 3,5 milhões de euros por aquela peça a um negociante de arte em Paris chamado Christophe Kunicki, que os terá enganado acerca da sua proveniência. De acordo com as informações que tinham, o caixão teria saído há décadas do país de forma legal. Tais informações sustentavam-se em documentação falsa, como uma licença de exportação falsa de 1971, a que a investigação americana em torno do roubo da peça teve agora acesso.

"Os administradores dos mais importantes artefactos do mundo têm o dever de submeter as suas aquisições ao mais alto nível de escrutínio", afirmou o procurador de Manhattan Cyrus Vance Jr., ligado à investigação que determinou o roubo do caixão, em comunicado.

"O nosso museu tem de ser um líder entre os nossos pares no respeito pela propriedade cultural e no rigor e transparência na política e práticas que seguimos", afirmou o diretor do museu Max Hollein em comunicado. "Vamos aprender com este acontecimento - especificamente, vou levar a cabo uma revisão do nosso programa de aquisições - para percebermos o que mais pode ser feito para evitar situações destas no futuro", acrescentou.

Esta não é a primeira vez que uma situação destas acontece com aquisições feitas pelo Met. Em 2017 aconteceu com um vaso de 2300 anos que representava o deus grego Dioniso e, há cerca de uma década, com outro vaso de 2500 anos. Ambas as peças terão saído ilegalmente de Itália.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?