Maria João Pires: "Nunca reneguei a nacionalidade portuguesa"

De regresso a Belgais e com o projeto do centro de artes reativado, a pianista deu uma entrevista ao Jornal do Fundão em que regressou a 2009, quando o centro fechou, e refletiu sobre o momento atual da sua carreira.

"Voltei porque tinha muitas saudades da casa. Principalmente por isso. E depois tinha uma grande vontade de fazer os meus próprios projetos e não só as coisas que vinham das ideias dos outros", diz Maria João Pires naquela que é a sua primeira entrevista desde que regressou a Belgais, em Castelo Branco, ao centro de artes que criou em 1999 e que terminou em 2009 em dificuldades económicas e entre um processo polémico que envolveu um arresto de bens.

Agora, quase uma década depois, o então Centro Belgais para o Estudo das Artes foi reativado como Centro de Artes de Belgais e ali existem já retiros musicais, cursos internacionais, alojamento e até produção de azeite. Atualmente a dar um ciclo de recitais que começaram em dezembro e se estendem até maio, no próprio Centro de Artes de Belgais, Maria João Pires, que em 2017 anunciou que deixaria de fazer digressões, é clara em relação ao que a fez regressar. "Regresso a Belgais para recriar o projeto artístico, para que seja um espaço de partilha com as pessoas, de criação, sem que isso tenha uma conotação comercial."

Ao Jornal do Fundão, a pianista explica que o fim daquele projeto artístico e educativo, que envolveu queixas por falta de apoio do Governo e um processo judicial com quatro ex-funcionários, a deixou "exausta". "Fiquei magoada com a injustiça das afirmações que fizeram, com acusações extremamente injustas que não correspondiam à verdade", afirmou, dizendo também nunca se ter queixado "da falta de apoio do Governo". "Queixei-me de falta de interesse, não de apoio que existiu em termos financeiros. Falo do interesse geral, com exceção da região que sempre me apoiou no projeto."

Quando a jornalista lhe diz que "chegou a exprimir vontade em renegar à nacionalidade portuguesa", Maria João Pires responde: "Nunca o fiz e nem nunca tive nacionalidade brasileira, como se disse quando vivi no Brasil. Há 40 anos que tenho dupla nacionalidade suíça e portuguesa."

A pianista, nascida em Lisboa a 23 de julho de 1944, explica que nesta sua nova vida Belgais está a tentar sobreviver "sem ajudas nenhumas" e que entre os planos para o futuro está a vontade de "repor o estúdio de gravação e começar a fazer discos aqui". "Gostava de gravar ainda alguns discos de obras que ainda não gravei. E gostava de fazer coisas em conjunto e em parceria com a comunidade. Todos nós temos talentos. Acho é que uns têm mais oportunidades que outros", acrescenta.

Maria João Pires diz que está "definitivamente a viver" em Belgais e conta que vai ao piano todos os dias, "pelo menos meia hora"."Acredito que a minha missão não é só encher salas de concertos. Eu já fiz isso. É sim transmitir a minha experiência de vida e partilhar tudo isso com as pessoas mais novas."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.