Lennon e McCartney. Semelhanças dos filhos dos Beatles com os pais impressionam

Imagens partilhadas nas redes sociais estão a surpreender muita gente

Sean Ono Lennon (42 anos) e James McCartney (40 anos) publicaram uma selfie juntos no Instagram e chamaram a atenção dos fãs pela semelhança com os pais, John Lennon e Paul McCartney.

Tal como os pais, também Sean (filho único de John Lennon e Yoko Ono) e James (único filho de Paul McCartney com a fotógrafa Linda McCartney) são músicos e aparecem na fotografia com o que parece ser uma viola. Além dos comentários sobre as parecenças físicas com os ex-Beatles, os internautas pediram ainda que trabalhassem juntos numa canção.

Sean nasceu em 1975, cinco anos antes do assassinato do pai em Nova York por Mark Chapman e parece querer fazer uma segunda versão dos Beatles. Antes de publicar uma fotografia com James, filho de Paul McCartney, o filho de Lennon já tinha publicado nas redes sociais uma outra, com Dhani, filho do George Harrison.

Só falta uma foto com um dos filhos de Ringo (Zak é o mais bem-sucedido na música) para fechar o círculo.

Em 2012, numa entrevista à BBC, o filho de Paul McCartney admitiu formar uma banda com os outros filhos dos outros ex-Beatles, a banda fenómeno dos anos 60/70, ainda hoje considerada por muitos a melhor banda musical de sempre. James McCartney apareceu em dois discos do pai Flaming Pie (1997) e Driving Rain (2001), e lançou dois discos solo, Me (2013) e The Blackberry Train (2016).

Já Sean Lennon fez parcerias com nomes como Albert Hammond, Jr., Les Claypool (Primus) e com a mãe, Yoko Ono, além de ter produzido obras de bandas e artistas como Soulfly e Lana Del Rey.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."