Kevin Hart desiste de apresentar Óscares após críticas da comunidade LGBT

Assim que se soube que o ator era o escolhido da Academia para apresentar a cerimónia mais conhecida do cinema mundial, as críticas não pararam devido a comentários homofóbicos publicados há sete anos.

O ator e comediante Kevin Hart desistiu de apresentar a cerimónia dos Óscares de 2019 devido ao coro de críticas nas últimas horas sobre afirmações do norte-americano que têm mais de sete anos, consideradas ofensivas pela comunidade homossexual. "Tomei a decisão de renunciar à apresentação dos Óscares deste ano... porque não quero ser uma distração numa noite que deve ser comemorada por tantos artistas talentosos incríveis. Peço as minhas mais sinceras desculpas à comunidade LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgéneros] pelas minhas palavras insensíveis feitas no passado", escreveu o comediante na sua conta oficial na rede social Twitter.

Antes de tomar esta decisão, o ator norte-americano ainda publicou um vídeo na rede social Instagram no qual se justificou, afirmando que as declarações que proferiu e os tweets que escreveu foram "há quase oito anos". "Tenho quase 40 anos. Se vocês não acreditam que as pessoas mudam, crescem e evoluem quando ficam mais velhas, não sei o que vos dizer", disse, acrescentando que "o mundo está a ficar mais do que louco".

Kevin Hart afirmou ainda que não compreende porque é que, hoje em dia, as pessoas têm que "se justificar constantemente por coisas que fizeram no passado".

A organização não-governamental GLAAD , cujo foco é a monitorização da forma como os 'media' retratam a comunidade LGBT, afirmou ter apresentado uma queixa junto do canal de televisão ABC, emissora dos Óscares, e na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas para "discutir a retórica e o registo anti-LGBT de Kevin".

Uma das maiores críticas desta organização é contra um especial de comédia de Kevin Hart, em 2010, onde este disse: "Um dos meus maiores medos é que o meu filho cresça a ser gay. Isso é um medo. Atenção, não sou homofóbico... seja feliz. Faça o que quiser. Mas eu, como homem heterossexual, se puder impedir o meu filho de ser gay, irei fazê-lo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.