Há 70 anos o British Council rejeitou um texto de Orwell sobre cozinha. Agora pediu desculpa

O British Council rejeitou o texto de 1946 dizendo que era problemático escrever sobre comida numa época em que esta era escassa. Havia ainda algumas reservas, como à sua receita de marmelada, que tinha "demasiado açúcar e água".

Setenta anos depois, o British Council pediu desculpa a George Orwell (1903-1950) por ter rejeitado um ensaio do escritor sobre comida britânica, conta o Guardian.

O texto chamava-se British Cookery (Cozinha Britânica) e nele Orwell descrevia-a como "uma dieta simples, pesada, talvez ligeiramente bárbara". O ensaio de 1946 fora encomendado pelo British Council, para promover a cultura britânica, e depois por ele rejeitado com o argumento de que era problemático escrever sobre comida numa época em que esta escasseava e era "um assunto doloroso". Publicá-lo, dizia o editor na carta de rejeição, seria "imprudente" tendo em conta "o leitor continental".

Em nome do departamento de publicações daquela instituição, focada nas relações com o exterior, a carta destacava ainda como o ensaio era "excelente", mas "com uma ou outra pequena crítica". Entre os problemas levantados a Orwell pelo editor está a receita de marmelada de laranja apresentada pelo escritor de 1984 e Triunfo dos Porcos (na tradução mais recente A Quinta dos Animais): continha "demasiado açúcar e água".

Segundo Orwell, que acabou por publicar uma versão curta do texto no Evening Standard, na dieta britânica "as bebidas quentes são aceitáveis na maioria das horas do dia". Além disso, escreveu, "em geral os britânicos preferem coisas doces a coisas picantes, e combinam açúcar e carne de uma forma que raramente é vista noutros lugares".

O escritor explicou ainda que para os britânicos o pequeno-almoço "não é um snack, mas uma refeição séria", com três pratos. O pequeno-almoço termina maioritariamente com chá, e não com café, já que "o café no Reino Unido é quase sempre nojento", lê-se.

Exigentes e críticos em relação ao chá, que deve ser sempre acompanhado de um bolo, os britânicos são ainda descritos como grandes consumidores de pickles. "As duas grandes falhas da cozinha britânica", conclui Orwell, são "o falhanço em tratar os vegetais com a devida seriedade e o uso excessivo de açúcar".

"Parece que naquela altura a organização não tinha humor e era avesso ao risco, estava nervosa e evitava produzir um ensaio sobre comida (mesmo um ensaio que mencione os desastrosos efeitos do racionamento nos tempos da guerra) no rescaldo do inverno esfaimado de 1945", afirma o analista do British Council Alasdair Donaldson, citado pela BBC.

Agora todos podem ler o texto rejeitado de Orwell. "Mais de 70 anos depois, o British Council está encantado por emendar a sua desconsideração por aquele que é talvez o maior escritor político britânico do século XX, reproduzindo o ensaio original na íntegra, além da infeliz carta de rejeição", acrescentou Donaldson.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.