Eurovisão: Portugal está na primeira semifinal e já há 13 músicas conhecidas

Portugal canta na primeira semifinal, onde também está Israel, França e Espanha, a 14 de maio. Segunda semifinal está marcada para 16 de maio. Grande final é a 18 de maio.

Ainda faltam quatro meses para a Eurovisão, mas já vão sendo conhecidos os alinhamentos das duas semifinais e já são conhecidas 13 das 42 canções que vão estar a concurso, em Telavive, Israel.

A organização do concurso sorteou na segunda-feira a ordem das semifinais. Portugal - cujo representante vai ser escolhido na grande final de 2 de março - canta na primeira semifinal, a 14 de maio. No mesmo grupo vão estar Israel (o anfitrião) e França e Espanha, que fazem parte do denominado Big Five (Os Cinco Grandes), que são os cinco países que mais contribuem para o financiamento da Eurovisão e o país vencedor do ano anterior e que acolhe a competição. Alemanha, Itália e Reino Unido estão na segunda semifinal, a 16 de maio. Os Big Five estão sempre apurados para a final. Em cada semifinal são apurados dez finalistas.

Para já, os fãs do festival da canção europeu, que chega a 200 milhões de telespetadores, podem começar a ouvir as primeiras músicas escolhidas para marcar presença em Telavive. Uma das vozes conhecidas é Jonida Maliqi, da Albânia, que já tentou por diversas vezes representar o seu país neste concurso. Vai cantar Ktheju tokës (Regressar à Terra).

A Arménia também já escolheu a sua representante. Srbuk é considerada uma das estrelas em ascensão na Arménia, tendo já participado em inúmeros concursos de talentos, incluindo o The Voice ucraniano. A intérprete está escolhida, falta revelar qual é a música que ela vai cantar.

A Áustria também apenas escolheu a sua intérprete. PAENDA vai cantar Limits, que ainda não foi apresentada ao público. Pela Bélgica, vai estar Elliot, o jovem de 18 anos que venceu o The Voice Belgique. A sua música ainda será revelada.

Chipre vai ser representado por Tamta, uma popular artista nascida na Geórgia, mas que se afirmou na Grécia. Vai cantar Replay, produzida por Alex P. e a encenação vai ficar a cargo do diretor artístico e encenador Sacha Jean-Baptiste. À semelhança do ano passado, com Eleni Foureira, Chipre volta apostar forte no número que apresenta em palco.

A banda indie-pop Lake Malawi (nome inspirado numa música dos Bon Iver) foi a selecionada para representar a República Checa. A música escolhida é Friend of a Friend. Com aspirações a uma carreira internacional, a banda canta em inglês.

A Ex-República Jugoslava da Macedónia vai ser representada pela repetente Tamara Todesvska. Mas esta será a primeira vez que vai como vocalista a solo. Este duas vezes como coro (em 2004 e 2014) e em 2008 integrou o trio Tamara, Vrčak & Adrijan.

O DJ e produtor multi-premiado Darude vai cantar pela Finlândia. Bilal Hassani será a representante francesa em Telavive. A Youtuber e compositora vai interpretar Roi (Rei).

Michela Pace, de 17 anos, é a cantora de Malta. A jovem participou no X Factor de Malta. A música ainda vai ser votada internamente. San Marino vai levar o repetente Serhat, que já esteve em Estocolmo, em 2016. A sua música também ainda não está escolhida.

Espanha este ano vai apostar num cantor a solo, depois de no ano passado ter trazido a Lisboa a dupla Alfred e Amaia. Miki venceu a Gala Especial Eurovisão da Operação Trinufo e vai cantar La Venda, em Israel.

A última participação que já é conhecida é a da Holanda. Ducan Laurence terminou este ano o curso na Rock Academy em Tilburg. A sua música ainda não foi revelada.

A edição deste ano da Eurovisão terá como tema Dare to Dream (Atreve-te a Sonhar). Todas as semanas serão conhecidas novas canções, das 42 que vão marcar presença em Telavive, em maio.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.