Estreias: nasceu uma estrela chamada... Lady Gaga!

O cinema americano não se esgota nos super-heróis: com a estreia de Assim Nasce uma Estrela, reencontramos as emoções de uma história clássica dos bastidores do espetáculo, agora com Bradley Cooper e Lady Gaga.

É verdade: mesmo os que não são fãs de Lady Gaga, diriam que ela é, simplesmente (e justificadamente) uma estrela da música pop. Pois bem, será altura de emendarmos a nossa visão dos seus talentos: naquela que é a grande estreia desta semana, Assim Nasce uma Estrela, Lady Gaga, além de cantar, mostra que é uma atriz de corpo inteiro - e não será exagerado supor que o filme (e ela em particular) terá um lugar de evidência na próxima temporada de prémios em Hollywood, em especial nos Globos de Ouro e nos Óscares.

ASSIM NASCE UMA ESTRELA - Bradley Cooper, actor de sofistados recursos arriscou muito e... ganhou! Para mais acumulando as funções de produtor, argumentista, intérprete e realizador. Este A Star Is Born é uma feliz reinvenção do drama de uma mulher em ascensão no mundo espetáculo, tendo como patrono um homem fortemente dependente do álcool (recorde-se que se trata da quarta versão dessa história, sendo a de 1976, com Barbra Streisand e Kris Kristofferson, a anterior). Em termos cinematográficos, Bradley Cooper e Lady Gaga serão, por certo, o par do ano.

FELIZ COMO LÁZARO - Foi um dos títulos consagrados no último Festival de Cannes (prémio de argumento). Fiel ao seu gosto pelas parábolas sociais, a realizadora italiana Alice Rohrwacher encena a vida atribulada de Lázaro, personagem rural de tocante candura e vulnerabilidade que vai enfrentar as convulsões das paisagens urbanas... Ou como a herança de Pier Paolo Pasolini está viva.

O CADERNO NEGRO - A chilena Valeria Sarmiento retoma a herança cinematográfica de Camilo Castelo Branco, em especial de Mistérios de Lisboa (2010), uma realização do seu marido Raúl Ruiz (1941-2011) cuja montagem foi da sua responsabilidade. A adaptação do romance O Livro Negro do Padre Dinis propõe, assim, um reencontro, de uma só vez didático e irónico, com o século XVIII e as delícias narrativas do folhetim histórico.

A APARIÇÃO - O cineasta francês Xavier Giannoli será, sobretudo, conhecido pelo seu Marguerite (2015), filme inspirado pela mesma personagem de uma (péssima) cantora de ópera que esteve na base de Florence, uma Diva Fora de Tom (2016), com Meryl Streep. Agora, Ginanoli propõe uma viagem dramática, centrada num jornalista (Vincent Lindon) que investiga o caso de uma jovem de uma pequena vila francesa que diz ter assistido a uma aparição da Virgem Maria - foi um dos títulos, em ante-estreia, da Festa do Cinema Francês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.