"Estamos vivos!": o grito de guerra de Jeff Bridges nos Globos de Ouro

O ator de O Grande Lebowski recebeu o prémio de carreira e fez um discurso entusiasmado: "Estamos vivos, podemos realmente fazer a diferença" na sociedade, disse aos colegas de Hollywood.

O ator Jeff Bridges recebeu o Prémio Cecil B. DeMille, que é atribuído pela Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood por um "contributo extraordinário para o mundo do entretenimento". Aos 69 anos, Bridges tem na sua carreira um Óscar de melhor ator por Crazy Heart (2009) e ainda nomeações por A Última Sessão (1971), A Última Golpada (1974), Starman - O Homem das Estrelas (1984), O Jogo do Poder (2000), Indomável (2010) e Hell or High Water (2016).

Jeff Bridges não tinha preparado o discurso. Não levava um papelinho com a lista de todas as pessoas a quem queria agradecer, por isso foi ainda mais comovente o modo entusiasmado como se foi lembrando daqueles que foram importantes na sua carreira, a começar pela mulher, Sue Geston, e o irmão, o também ator Beau Bridges, e passando depois para os realizadores com quem trabalhou, como Peter Bogdanovich, o responsável por A Última Sessão, Michael Cimino, de A Última Golpada, ou os Irmãos Cohen, com quem fez, por exemplo, a comédia de culto O Grande Lebowski (1998): "Se tiver sorte serei associado ao Dude por toda a minha vida. Sinto-me muito orgulhoso por fazer parte desse filme", disse.

Contou como Michael Cimino lhe explicou que ser escolhido para um papel é como ser "apanhado" no jogo da apanhada. E assim Jeff Bridges disse aos seus colegas: "Nós todos fomos apanhados, certo? Estamos todos vivos, aqui e agora, isto está a acontecer."

Por fim, Bridges comparou a profissão de ator ao comandante de um navio. E falou da trim tab, pequenas abas do leme que ajudam a direcionar os barcos e que o designer Buckminster Fuller usou como metáfora para o papel de um indivíduo na sociedade: "Essa aba é o exemplo de como o indivíduo está ligado à sociedade e de como influenciamos a sociedade", explicou o ator, acrescentando: "Todos somos guias de qualidade, pode parecer que não estamos à altura da tarefa, mas estamos - estamos vivos, podemos realmente fazer a diferença. Podemos virar este navio para onde quisermos ir."

Ler mais

Exclusivos

Premium

violência

Como foi possível uma tragédia destas no Sri Lanka?

Destino turístico de eleição para muitos europeus nos últimos tempos, o Sri Lanka tem um longo historial de violência e de episódios de sectarismo religioso. Mesmo assim atentado de domingo surpreendeu tudo e todos. Governo desta ilha do Índico, que está demitido pelo presidente desde outubro de 2018, acusou o grupo National Thowheed Jamath, diz que terá havido apoio externo e que alertas foram ignorados