"É uma crítica à política de Israel". António rejeita críticas de antissemitismo

Desenho publicado pelo The New York Times está a provocar polémica nos EUA.

O cartoonista António rejeitou nesta segunda-feira as críticas de antissemitismo de que está a ser alvo nos Estados Unidos na sequência da publicação, no jornal The New York Times, de um cartoon em que aparece a imagem de Donald Trump, parecendo cego, a segurar na trela de um cão-guia que tem a cara do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e uma estrela de David na coleira.

Ao jornal Expresso, onde António assina semanalmente caricaturas, o autor afirma que este trabalho "é uma crítica à política de Israel e não aos judeus".

"A leitura que fiz é a de que a política de Benjamin Netanyahu, quer pela aproximação de eleições quer por estar protegido por Donald Trump, que mudou a embaixada para Jerusalém reconhecendo a cidade como capital, e que permitiu primeiro a anexação dos montes Golã e depois da Cisjordânia e mais anexações na faixa de Gaza, o que significa um enterro do Acordo de Oslo, representa um aumento da violência verbal, física e política. É uma política cega que ignora os interesses dos palestinianos. E Donald Trump é um cego que vai atrás. A estrela de David é um auxiliar de identificação de uma figura [Benjamin Netanyahu] que não é muito conhecida em Portugal", disse António ao Expresso.

"É uma crítica à política de Israel, que tem uma conduta criminosa na Palestina, ao arrepio da ONU, e não aos judeus", reforçou o artista.

Ler mais

Exclusivos