De vítima a acusada: Asia Argento terá assediado ator menor de idade

Atriz e realizadora Asia Argento foi uma das vozes líderes do movimento #MeToo contra o produtor Harvey Weinstein. Agora soube-se que também ela terá chegado a acordo com um rapaz que a acusou

Asia Argento pode muito bem passar de vítima a assediadora. O jornal The New York Times garante ter documentos que provam que a atriz italiana e uma das vozes que denunciaram o produtor Harvey Weinstein chegou a acordo com um jovem que a acusou de assédio enquanto este era ainda menor de idade.

Terá sido já depois de ter denunciado o produtor norte-americano e quando já era uma das vozes mais relevantes do movimento #MeToo que Asia Argento pagou 380 mil dólares (333 mil euros) a Jimmy Bennett, o jovem ator e músico que a acusava de assédio.

O caso terá acontecido num quarto de hotel na Califórnia, quando este tinha apenas acabado de fazer 17 anos - tem agora 22. Asia Argento tinha então 37. A idade legal para o consentimento neste estado dos EUA são os 18 anos. Os dois contracenaram num filme, de 2003, em que ele fazia de filho da atriz.

O acordo terá sido feito entre os advogados dos dois envolvidos. E chegou ao jornal de Nova Iorque através de email encriptado e que incluía uma selfie dos dois deitados na cama e datada de 9 de maio de 2013. Como parte do acordo, a fotografia foi entregue a Asia Agento.

Segundo o The New York Times, a atriz e os seus representantes não responderam às inúmeras tentativas de contacto feitas pelo jornal. Também Jimmy Bennet não se mostrou disponível para prestar qualquer declaração.

A advogada de Asia Argento, Carrie Goldberg, escreveu a Bennet, numa carta datada de abril e onde se detalham os pagamentos e o acordo, dizendo que lamentavam o que tinha acontecido. "Esperamos que não te volte a acontecer. És um criador poderoso e inspirador e é uma condição miserável da vida que vivas entre estas pessoas de merda que se aproveitam das tuas forças e fraquezas", dizia.

Segundo o processo, o episódio desencadeou uma série de problemas psicológicos que afetaram o que era, até aí, uma promissora carreira como ator. Mas este só decidiu processá-la quando esta apareceu como vítima de assédio. "Os sentimentos daquele dia voltaram à tona quando a senhora Argento surgiu nos holofotes como uma das principais vítimas de Harvey Weinstein", escreveu o advogado de Jimmy Bennet, na nota em que revelala a intenção de processar.

Asia Argento vive em Roma e era a namorada do chef Anthony Bourdain, que se suicidou em junho. Em outubro, foi uma das vozes que denunciou o comportamento de Harvey Weinstein, na The New Yorker. Em maio, foi elogiada pelo discurso que fez no Festival de Cannes e denunciou que tinha sido violada por Weinstein no festival, quando tinha 21 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.