A transferência do ano: Cristina Ferreira muda-se para a SIC

TVI confirma a saída da apresentadora, que vai passar a fazer concorrência a Manuel Luís Goucha nas manhãs.

É a notícia do ano no mercado televisivo. Cristina Ferreira vai mudar-se da TVI para a SIC, passando a ser o grande rosto do entretenimento na estação de Carnaxide a partir de setembro.

A apresentadora, que desde 2004 faz dupla com Manuel Luís Goucha nas manhãs da TVI, vai passar a ser concorrente direta do seu agora antigo parceiro, devendo assumir a apresentação das manhãs da SIC.

A saída de Cristina Ferreira da TVI foi confirmada ao DN por uma fonte oficial da estação, que assumiu "a não renovação do contrato" que liga a apresentadora ao canal de Queluz até ao "fim de novembro". "Estamos em negociações com a Cristina sobre os termos de finalização do contrato", acrescentou a mesma fonte, resumindo as razões para esta separação: "Temos projetos empresariais diferentes que nos fazem pôr um ponto final nesta ligação de 16 anos."

O jornal Expresso adianta que Cristina Ferreira vai acumular as funções de apresentadora com o cargo de consultora executiva da direção-geral de entretenimento do canal, que é atualmente liderada por Daniel Oliveira. De resto, a popular apresentadora é a primeira grande contratação da SIC desde que Daniel Oliveira assumiu essa direção, em junho passado.

Aos 40 anos, Cristina Ferreira, que se estreou em televisão nos programas diários do reality show Big Brother, assume assim uma nova etapa numa carreira que transbordou já os limites do pequeno ecrã. Uma loja, uma linha de sapatos, um perfume e a revista Cristina são outros projetos que fazem parte da marca em que se transformou o nome de Cristina Ferreira.

O DN tentou contactar a SIC e a própria apresentadora, mas não foi possível até ao momento.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.