A transferência do ano: Cristina Ferreira muda-se para a SIC

TVI confirma a saída da apresentadora, que vai passar a fazer concorrência a Manuel Luís Goucha nas manhãs.

É a notícia do ano no mercado televisivo. Cristina Ferreira vai mudar-se da TVI para a SIC, passando a ser o grande rosto do entretenimento na estação de Carnaxide a partir de setembro.

A apresentadora, que desde 2004 faz dupla com Manuel Luís Goucha nas manhãs da TVI, vai passar a ser concorrente direta do seu agora antigo parceiro, devendo assumir a apresentação das manhãs da SIC.

A saída de Cristina Ferreira da TVI foi confirmada ao DN por uma fonte oficial da estação, que assumiu "a não renovação do contrato" que liga a apresentadora ao canal de Queluz até ao "fim de novembro". "Estamos em negociações com a Cristina sobre os termos de finalização do contrato", acrescentou a mesma fonte, resumindo as razões para esta separação: "Temos projetos empresariais diferentes que nos fazem pôr um ponto final nesta ligação de 16 anos."

O jornal Expresso adianta que Cristina Ferreira vai acumular as funções de apresentadora com o cargo de consultora executiva da direção-geral de entretenimento do canal, que é atualmente liderada por Daniel Oliveira. De resto, a popular apresentadora é a primeira grande contratação da SIC desde que Daniel Oliveira assumiu essa direção, em junho passado.

Aos 40 anos, Cristina Ferreira, que se estreou em televisão nos programas diários do reality show Big Brother, assume assim uma nova etapa numa carreira que transbordou já os limites do pequeno ecrã. Uma loja, uma linha de sapatos, um perfume e a revista Cristina são outros projetos que fazem parte da marca em que se transformou o nome de Cristina Ferreira.

O DN tentou contactar a SIC e a própria apresentadora, mas não foi possível até ao momento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.