A "ferida pós-colonialista em Portugal" testada por Kapuscinski

Estreia amanhã a animação Mais um Dia de Vida, sobre a epopeia do jornalista polaco Ryszard Kapuscinski em plena Revolução de Angola. Vai provocar debate em Portugal? O realizador e um dos protagonistas respondem.

A animação Mais um Dia de Vida é um espetáculo documental misturado com elementos de cinema biográfico. Mas é animação? Sim. Mas tem imagens de arquivo? Sim. E tem material de entrevistas feitas agora em imagem real? Sim. E mais, levou o público basco do Festival de San Sebastián a dar-lhe o prémio popular. Chega ao mercado português amanhã.

Mais um Dia de Vida, de Raúl de La Fuente e Damian Nenow, co-produção entre Espanha e Polónia, estreia em Portugal depois de uma passagem pela seleção oficial do Festival de Cannes. O filme relata a odisseia do jornalista polaco Ryszard Kapuscinski, que se tornou figura marcante na Revolução de Angola, em 1975, ao ser peça essencial na forma como cobriu a dramática guerra civil e o eminente ataque das forças sul-africanas.

O guião é baseado no livro homónimo do jornalista, estando a intriga interligada com declarações de alguns intervenientes, em especial Farrusco, um comandante militar do MPLA. Ao todo são 60 minutos de animação e 20 de imagem real, o mecanismo que Raúl de La Fuente e Damian Nenow encontraram para narrar a viagem do jornalista polaco ao coração do conflito armado, sendo o único jornalista internacional estacionado em Luanda que se atreveu a sair da capital.

"Não sei se há ainda uma ferida pós-colonialista em Portugal, mas estou feliz por ter havido uma distribuidora portuguesa que tenha apostado neste meu filme! Foram valentes... Sinto-me honrado, até porque não estava à espera que em Portugal alguém quisesse estrear. Não tenho mesmo ideia de como será a reação dos portugueses ao filme, mas deduzo que o povo português possa vir a ter uma abertura de mente grande. Aliás, esta história nasce aqui, com a Revolução dos Cravos", diz-nos o realizador espanhol Raúl de La Fuente.

Ele está numa mesa do foyer do Cinema Ideal, em Lisboa, onde esta semana teve lugar a antestreia do filme, ainda integrada no bem sucedido ciclo da Casa da Imprensa. Ao seu lado está o mítico Farrusco, português alentejano que vemos no filme animado e também em carne e osso, ora a falar castelhano, ora português. Este comandante do MPLA é descrito como um herói de guerra, um soldado sem medo e uma espécie de figura romântica. Certamente nunca imaginou estar décadas depois nesta situação: "Fiquei muito impressionado quando vi o filme pela primeira vez", conta com a voz algo frágil e prossegue: "finalmente tenho aqui uma condecoração que nunca ninguém me ofereceu! Estar numa história destas é fazer parte de uma imortalização de um facto. Ninguém pode desmentir esta história. Quem vir este filme ou ler o livro do Kapuscinski e não acreditar no que é relatado só pode fazer uma coisa: falar com quem ainda está vivo e viveu estes episódios e perceber o quanto foi difícil para o povo angolano e para o português"

Mais um Dia de Vida tem uma palavra que vai ficar na cabeça dos espetadores: "confusão". Uma confusão que ilustra o caos de um país dividido pelo conflito entre as forças da UNITA e do MPLA, bem como o clima da Guerra Fria entre os russos e os americanos, com a intervenção de Cuba e da África do Sul à mistura. Para o cineasta espanhol, interessava-lhe sobretudo ser fiel ao olhar de Kapuscinski: "quis mesmo seguir o olhar dele, claro que depois complementado com o olhar de Farrusco, da guerrilheira Carlotta e do jornalista angolano Artur. Se é tendencioso ou não, desconheço". "Não, não é tendencioso", afirma Farrusco.

Meio a brincar, Farrusco lembra que o resto da guerra poderia dar muitos filmes, em especial o seu ferimento quase mortal que o deixou em coma e a forma como os mucubais o ajudaram na Serra da Leba antes de conseguir conquistar Lubango das mãos dos sul-africanos, já em 76.

A animação do filme tenta integrar ideias estéticas de películas de imagem real. Para os puristas da animação vai ser um ai-jesus, mas pelas palavras do realizador sentimos que é para o lado onde dorme melhor: "quisemos fazer um filme de animação que não se parecesse com um filme de animação. É como se fosse câmara à mão. Enfim, é realmente um filme de guerra com um movimento muito humano, orgânico. Queríamos que fosse uma obra muito humana. Se pusemos figuras reais foi para trabalhar isso mesmo, queríamos captar veracidade e emoção".

Para já, ainda não há data de estreia do filme em Angola, mas de La Fuente garante que está a trabalhar nisso mesmo e quer uma data muito, muito em breve. E aí como será também a reação?

"Responde tu que és angolano", pede o realizador ao militar que nasceu em Portugal e preferiu lutar para o povo pelo qual se apaixonou. Farrusco respira fundo e diz que é imprevisível o impacto de Mais um Dia de Vida em Angola: "provavelmente vai provocar discussão e debate político". Claro que podemos ter pessoas que têm ressentimentos e traumas, sobretudo pessoas que podem dizer que o filme não vale nada pois não são vistas lá". Está a falar de pessoas ligadas à UNITA? "Sim, a UNITA não tem protagonismo aqui... Eu acho que o Kapuscinski deve ter querido chegar à fala com comandantes da UNITA mas não tinha qualquer segurança para passar para o outro lado do asfalto. Poderia ter sido morto ou desaparecer!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.