À espera de Ed Sheeran só faltaram as bifanas

Quem passou o dia à porta do estadio para garantir lugar à frente do palco deixou um rasto de lixo para trás. Estádio da Luz encheu-se para ouvir o cantor britânico.

Não há camisolas vermelhas nem cânticos benfiquistas, hoje não é dia de jogo mas há horas que se ouve um burburinho de multidão nos arredores do estádio da Luz. "Até parece que vamos à bola, não é? Só faltam as barraquinhas das bifanas, que davam aqui muito jeito", lamenta Carlos, o mais falador do grupo de jovens que se juntou à sombra, por baixo da avenida Lusíada, bem ali no sítio onde se costumam vender cachecóis e bandeiras dos vários clubes. "Estamos aqui à espera do resto da malta", explica. Quando estiverem todos hão de ser doze rapazes e raparigas com idades entre os 16 e os 18 anos, todos de Lisboa e todos fãs de Ed Sheeran, o músico inglês que toca esta noite e amanhã em Lisboa. Bem, todos não. "Há aqui uns que vieram arrastados pelo grupo, para fazer companhia às namoradas, está a perceber?", conta o Carlos, com um sorriso maroto. "Viemos mais cedo porque achávamos mesmo que ia haver bifanas cá fora..."

Não há bifanas. Passa um pouco das seis da tarde e há filas para entrar no estádio e passar os controlos de segurança mas nada de muito grave. À medida que avançamos por entre os percursos gradeados encontramos pilhas e pilhas de garrafas de plástico vazias deixadas pelos verdadeiros fãs, aqueles que chegaram muito cedo e passaram a tarde ao sol só para poder ficar perto do palco. "Nem imagina, houve gente que veio para aí logo de manhã", diz nos um segurança. Neste sábado, primeiro dia de junho, as temperaturas subiram acima dos 35 graus. E, pela quantidade de lixo que vemos, este não está a ser um dia muito amigo do ambiente...

Já dentro do perímetro do estádio, Sara e Carminho estão a comer um gelado sentadas aos pés do Eusébio. Têm 12 anos e vieram com a mãe de Sara: "Foi o meu presente de aniversário", conta ela. "A minha mãe sabia que eu gosto muito do Ed Sheeran e fez-me esta surpresa." A mãe, Carla, explica que é a primeira vez que as duas raparigas vêm a um concerto desta dimensão e estão super entusiasmadas. "Quase não dormiram! Vamos para a bancada porque acho que elas no relvado não vão ver nada, estamos só a acabar os gelados e já vamos entrar."

A mãe tem razão em ter pressa. Quando Zara Larsson, a segunda artista dos três que fazem o "aquecimento" para Ed Sheeran, termina a sua atuação já quase não se vê um centímetro do verde do relvado falso e grande parte das cadeiras vermelhas das bancadas também já estão ocupadas. O ambiente é quase o de um festival. Mas com menos confusão - isto de estar num estádio, com muitas portas diferentes e wcs decentes faz toda a diferença. Já para não falar da sombra!

Ainda é de dia quando James Bay sobe ao palco as 19.45 em ponto. O público anima-se e levanta os braços para bater palmas ao som da música. "Are you excited for Ed?", pergunta ele, depois da primeira música, arrancando os primeiros gritos da "relva". Cheira a cachorros-quentes e a pipocas. É hora de jantar e de preparar a voz para cantar durante duas horas com Ed Sheeran.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.