A diva da ópera que não perde um jogo de Cristiano Ronaldo

Agora a húngara Éva Marton tem de passar a ver os jogos da Juventus e deixar de lado o Real Madrid. O que não quer mesmo perder é Cristiano Ronaldo

"Não precisa de me explicar nada sobre o Cristiano Ronaldo", interrompe Éva Marton em plena entrevista sobre os tempos áureos em que pisou os grandes palcos da ópera mundial, em que fez 229 vezes a Turandot de Puccini

A conversa, no Hotel Intercontinental de Budapeste, tinha ido parar ao jogador madeirense porque o soprano estava a recordar os dias passados em Portugal, quando cantou Parsifal no Teatro Nacional S. Carlos, em 2001. Falou da sala: "tradicional, muito bonita, gostei muito". Falou dos passeios por Lisboa: "fiquei instalada muito perto do teatro e por isso andei muito a pé e era muito agradável, apesar de haver muitas subidas e descidas". Falou do "elétrico amarelo" e de ter apanhado um táxi cujo motorista "tinha 92 anos, era o mais antigo taxista de Lisboa e o carro dele era dos anos 1930". Enfim, "a cidade para nós era uma espécie de milagre", embora estivesse muito frio.

Para reforçar estas boas memórias Éva, a encenação de Parsifal "era muito interessante, com dois espaços diferentes, e o público acolheu muito bem a produção". O maestro era Gabor Ötvös, húngaro como ela, coisa rara num palco internacional. A Antena 2 não só gravou o espetáculo como lhe enviou a gravação.

Um povo que se bateu de pé

"Foi também muito curiosa a impressão que me deixaram os portugueses. Quando o público ouvia algo de belo que lhe agradava, entusiasmava-se. Mas na rua as pessoas tinham um ar mais pesado, triste, como os húngaros." E aí é que se chegou ao futebol: "Penso que o povo deve ter uma vida muito dura e austera, num bom sentido, um povo que viveu muitas coisas, que se bateu de pé, como Cristiano Ronaldo e Figo".

Ele é um grande futebolista porque trabalha muito, não é só porque tem muito talento, comentei, estabelecendo um paralelo com o intenso treino de uma cantora lírica, Éva ri-se com gosto: "Eu sei, não precisa de me explica nada porque vejo todos os jogos dele. Tive muita pena que tivesse deixado o Manchester United para ir para o Real Madrid. Sou uma grande fã de Ronaldo." E o marido Zoltán, sentado ao lado dela, confirma. Ele próprio, cirurgião e agente de Éva, jogou futebol até aos 57 anos. "Somos ambos grandes desportistas".

A cantora fez parte da seleção húngara de voleibol e explica que o rigor e a disciplina do desporto foram um bom suporte na carreira musical. Aos 14 anos, perdeu a voz e ficou muito deprimida: "Tive muita sorte porque as jogadoras da equipa, muito inteligentes, ajudaram-me muito nesse período difícil. Além disso, viajávamos muito e isso deu-me boas oportunidades. Aconselho todos os pais a pôr os filhos a fazer desporto e a estudar música."

No caso da cantora lírica, hoje com 75 anos, não foram os pais que a levaram para a música, foi ela que o pediu quando tinha sete anos. Começou por aprender piano e a professora reparou na voz da pequena Éva e encaminhou-a para a escola de música do bairro. Depois de muitos anos e muito trabalho, formou-se com cantora lírica e professora de canto na Academia Lizt. Mais anos e mais trabalho, um filho e uma filha nascidos entretanto, e era consagrada como uma das maiores cantoras líricas do mundo.

Quatro pares de pantufas

Tinha tudo em quadruplicado, nesse tempo, porque se dividia por quatro casas: em Budapeste, em Hamburgo, em Montecarlo e em Nova Iorque. O marido trabalhava intensamente no hospital para poder somar dias de folga e estar presente, com os filhos, em todas as estreias. Não havia tempo para férias, ela trabalhava constantemente. "Não faz ideia da quantidade de energia que eu tenho".

O papel de Princesa de Turandot foi quase uma herança da amiga mais velha, a sueca Birgit Nilsson [1918-2005]: "Num ensaio no Metropolitan de Nova Iorque, de A mulher Sem Sombra de Richard Strauss e disse-me que eu ia ser a maior Turandot." Por coincidência, a Ópera de Viena procurava uma voz para esse papel e Zoltán tinha proposto o seu nome ao maestro Lorin Maazel [1930-2014]." Estava-se em 1983 e foi a primeira das 229 vezes que interpretou o papel.

"Não tive dificuldade em aprendê-lo, era um papel para mim, era uma segunda pele. Fiz o primeiro grande ensaio com piano e quando terminou o ensaio, com José Carreras Katia Ricciarelli, Maazel fechou a partitura e disse: vamos para a igreja rezar para que ela chegue à estreia com saúde."

Entre as muitas óperas que interpretou conta-se muito Wagner, muito Strauss, muito Puccini. Dona de uma voz dramática, expressiva, recebeu os maiores prémios pelo mundo fora. O que importa, diz, é ter boa técnica, conhecer bem o estilo do que se canta, saber respirar. "É preciso mover essa grande quantidade de ar, em pequeníssimos movimentos que movem o diafragma. É preciso controlar o corpo, todos os músculos. Depois de muito treino, essa técnica torna-se automático. Quando cantamos, o corpo todo funciona como um instrumento musical." O palco era a casa dela, "a liberdade total, ali ninguém me podia dizer nada".

Fechar o círculo

E porque a energia não deixava de inquietá-la, entregou-se à Academia Lizt quando deixou os palcos, em 2008, ainda com uma incursão no papel de Clitemnestra na Elektra, de Strauss, em Genebra, em 2010. "Regressei à Hungria porque queria transmitir tudo o que aprendi ao longo da carreira".

Em vez de quatro casas, agora tem uma bem grande na capital húngara, onde mora com os filhos e os quatro netos. "Vejo muitas produções de ópera porque sou consultora da direção da ópera nacional de Budapeste e sinto que os encenadores agora gostam de resolver os seus traumas de infância no palco e isso cansa-me".

Além de toda esta atividade, faz parte de um conselho consultivo de sábios que se reúne com o presidente e o primeiro-ministro. "Sou a vice-presidente desse comité e a única mulher, com 13 homens cientistas, académicos, até um padre".

Dirige o departamento de Canto e dá aulas a seis alunos na Academia Lizt, mas ainda tem tempo para organizar um prémio com o seu nome destinado aos jovens. "E assim se completa um círculo: comecei na Academia e esta instituição para mim foi sempre muito importante, desde logo pelo nome do compositor que sempre trabalhou para a comunidade, ajudou os pobres, fundou a universidade. Como ele dizia, Deus deu-nos um talento que é ao mesmo tempo uma grande responsabilidade. Encontrar um novo talento, um jovem promissor, é "magnífico, é isso que esperamos".

"Na minha turma nem todos os alunos têm o maior talento e há quem não entenda por que é que os outros estão lá. Mas para os grandes talentos se desenvolverem é preciso uma comunidade, todos beneficiam disso. A formação é também um trabalho psicológico, não é apenas ensinar a técnica, é preciso tratar o lado humano. Muita coisa depende do estado de alma, do caso social, de um todo. É preciso esperar com muita paciência quando um aluno não consegue deixar a sua pele, esperar o momento em que ele compreende. Não faço milagres, o milagre tem de ser feito por eles, têm de envolver nisso tudo o que têm. É sempre um milagre alguém cantar bem ou tocar bem um instrumento. Mas temos de admitir que o instrumento mais difícil é o corpo humano. Somos instrumentos musicais que andam."

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.