Nicolas Cage em Sintra e Tom Hanks nos Óscares

Numa edição com trunfos que Veneza não conseguiu, o Festival de Toronto mostrou a explosão de luz de Sintra em Color out of Space, com Nicolas Cage e A Beautiful Day in the Neighborhood, com um Tom Hanks a provar que merece o "hype" dos Óscares.

Diz-se aqui nos corredores do TIFF Bellbox, a casa do Festival de Toronto, que os melhores filmes da temporada não foram para o Festival de Veneza. Se Waves, de Trey Edward Schults, tinha logo nos primeiros dias se assumido como uma obra fundamental do novo cinema americano, o que dizer de A Beautiful Day in the Neighborhood, de Marielle Heller, com Tom Hanks a encarnar o ídolo da infância de muitos americanos, Fred Rogers, uma espécie de Vasco Granja que mudou a maneira de como se comunica para o público infantil num programa de televisão? A realizadora de Can You Ever Forgive Me? - Memórias de uma Falsificadora fez um filme que vai colocar o mundo a sorrir e a chorar através desta história real. Mais do que uma biografia deste simpático comunicador que é das pessoas mais amadas por muitas gerações de americanos, é também uma reflexão do jornalismo como portador de uma verdade que pode mudar a sociedade.

Baseado num artigo de capa da Esquire, esta é também a confissão de um jornalista que ficou tocado pela onda positiva do sr. Rogers e o que é particularmente tocante é a forma com Heller capta a beleza e a essência da arte de contar histórias no jornalismo. Uma beleza sempre perto de um imaginário de infância, capaz de aniquilar o cinismo das opiniões públicas e das tendências do consumismo. A Beautiful Day in the Neighborhood está também inundado de amor e do poder do silêncio na grande narrativa clássica americana. Será por certo um imenso candidato a ser candidato aos prémios da Academia e é impossível que a subtileza de um Tom Hanks não chegue à reta final do jogo da campanha dos prémios... Ele canta, encanta, imita vozes e é a alma gémea de Rogers.

Na Midnight Madness outro dos atores americanos que ficou ídolo nos anos 80 também teve a sua hora. Color Out of Space, de Richard Stanley, filmado em Portugal, quase integralmente em Sintra, e com Nicolas Cage em modo demente a ser ameaçado por uma força espacial que ataca a sua família numa casa isolada no campo. Lovecraft com mensagem política sobre as alterações climáticas e a normatividade da célula familiar.

O filme nem sempre assusta, mas quase sempre fascina com um humor série B impagável e uma impecável noção de ritmo, estando já vendido para os EUA e à espera de distribuição em Portugal. Esta produção com a participação da produtora de Alvalade Bro Cinema é um sinal muito feliz de como o "cash rebate" do Governo português está a começar a atrair produções de Hollywood para Portugal. Conforme Mário Patrocínio da Bro confessou ao DN, há mais projetos encaminhados para Portugal para 2020, igualmente com atores com o carimbo "vencedor de Óscar".

No Mercado, um dos títulos mais falados do momento é Twisting My Melon, de Matt Greenhalgh, cineasta que está a tentar vender este argumento sobre Shaun Ryder aos compradores internacionais. A ACG Studios pega assim no filão das obras sobre estrelas pop, depois de Bohemian Raphody (Freddy Mercury), Rocketman (Elton John) e Stardust (ainda por acabar e apenas sobre a juventude de Bowie), estando a fechar o contrato de Jack O'Connell para ser o vocalista dos Happy Mondays. Segundo o realizador, o filme será uma homenagem à última das bandas de classe trabalhadora da Grã-Bretanha.

Mas num festival com poucas polémicas, há quem comente a birra dos cinemas Cineplex com os títulos da Netflix e Amazon que aqui são mostrados. A imprensa e a indústria só podem ver filmes destas companhias nas salas de gala e no TIFF BellBox. Os cinemas Cineplex onde passam todos os filmes do festival fazem assim uma prova de força contra os gigantes do "streaming", mas não deixa de ser curioso a forma como Cameron Bailey (o co-diretor do festival ao lado da portuguesa Joana Vicente) anteontem, na apresentação do extraordinário Dolemite is My Name, o tal filme que ressuscitou a carreira de Eddie Murphy, agradeceu à Netflix pela presença deste verdadeiro trunfo para a temporada dos prémios. No TIFF a Netflix é bem-vinda mas as resistências são visíveis...