Ginger Baker, lendário baterista dos Cream, morreu aos 80 anos

Além de ser co-fundador da mítica banda de Eric Clapton, Baker andou pelo jazz, pelo blues e foi até África onde tocou com Fela Kuti.

Ginger Baker, considerado um dos bateristas mais inovadores e influentes do rock, morreu aos 80 anos. Co-fundador da Cream, a banda do guitarrista Eric Clapton e do baixista Jack Bruce, Baker também se distinguiu ao tocar com grupos como PIL, Blind Faith, Hawkwind e Fela Kuti, numa carreira longa e variada.

O seu estilo combinava o lirismo do jazz com o poder bruto do rock. Um crítico escreveu no início dos anos 1970 no The New York Times que observá-lo era como testemunhar "uma ceifeira humana". Mas também era uma figura temperamental e algo conflituosa, cujo comportamento frequentemente levava a confusões no palco.

Apelidado de Ginger devido ao seu cabelo vermelho, o músico nasceu Peter Edward Baker em Lewisham, sul de Londres, pouco antes da Segunda Guerra Mundial. O pai, pedreiro, foi morto em combate em 1943 e Baker foi criado em situação de pobreza pela mãe, padrasto e tia. Estudante problemático, terá sido membro de um gangue local na adolescência e envolveu-se em pequenos furtos. Quando tentou sair, membros do gangue atacaram-no com uma navalha.

A sua ambição inicial era participar na Volta à França em bicicleta, mas foi forçado a abandonar o desporto quando, aos 16 anos, a sua bicicleta foi "arrastada" por um táxi. Foi então que começou a tocar bateria. "Batia sempre nas mesas da escola", lembrou. "Então, todas as crianças diziam: 'Vá em frente, vá tocar bateria'. Sentei-me e comecei a tocar."

As pernas fortes que desenvolveu em longos passeios de bicicleta ajudaram-no depois a tocar com a configuração de bombo duplo que ele preferia. Tocou com bandas de jazz como Terry Lightfoot e Acker Bilk, mas o seu estilo - fragmentado e agressivo, mas articulado e insistente - criava com frequência um ajuste estranho. E assim mudou, foi para a cena de blues de Londres. Em 1962, juntou-se à Alexis Korner's Blues Incorporated por recomendação de Charlie Watts, que estava de saída para integrar os Rolling Stones.

Ganhou fama como membro da Graham Bond Organisation ao lado do baixista Jack Bruce, mas foi a parceria com Eric Clapton nos Cream que tornou os três em superestrelas.

Um dos primeiros "supergrupos" do rock, os Cream fundiram blues e rock psicadélico com efeitos inovadores em músicas como Strange Brew, Sunshine of Your Love, Badge e I Feel Free. Venderam mais de 35 milhões de álbuns e foram premiados com o primeiro disco de platina do mundo com o LP Wheels of Fire.

Juntamente com Jimi Hendrix, a banda expandiu o vocabulário do rock pesado, especialmente durante incendiários concertos ao vivo, onde os três músicos esticavam riffs simples até longas improvisações.

"Era como se algo mais tivesse assumido o controlo", disse Baker sobre os Cream. Mas a volatilidade que alimentou os desempenhos estava igualmente enraizada na animosidade. As discussões entre Baker e Bruce foram frequentes e violentas, levando Clapton às lágrimas. Numa ocasião, Baker tentou terminar um dos solos de Bruce batendo com um taco na cabeça de Bruce. Este ripostou com o seu baixo duplo.

A banda acabou por se separar após dois anos e quatro álbuns, com um espetáculo de despedida no Royal Albert Hall, em Londres, em 1968. "Cream chegou e saiu quase num piscar de olhos, mas deixou uma marca indelével no rock", escreveu Colin Larkin na Encyclopaedia of Popular Music. Em 2005, os Cream tocaram num concerto de reunião, em Nova Iorque.

Tocou logo depois com Clapton e Steve Winwood até que a morte do amigo, Jimi Hendrix, convenceu Baker de que era hora de abandonar a cena musical de Londres e limpar-se de drogas. Deixou a Grã-Bretanha para ir morar na Nigéria, onde gravou com Fela Kuti e construiu um estúdio de gravação. Ajudou Paul McCartney a gravar o clássico álbum dos Wings, Band On The Run, embora o relacionamento tenha azedado com as alegações de que Baker nunca foi pago. De resto, problemas financeiros de um tipo ou de outro sempre o perseguiram durante esse período e Baker acabou por perder o controlo do estúdio.

Nos anos 1980, tocou com os PIL de Johnny Lydon. A paixão pelo jazz nunca desapareceu e em 1994 teve um trio com Charlie Haden e Bill Frisell.

"É com muita tristeza que anunciamos que Ginger morreu pacificamente no hospital hoje de manhã", foi a frase que hoje surgiu na conta do músico no Twitter, escrita por familiares. Gary Hibbert, um representante da família, confirmou a morte à agência Associated Press. E desaparece assim um dos grandes bateristas da história do rock, comparado a Charlie Watts dos Rolling Stones, Mitch Mitchell da Jimi Hendrix Experience, Keith Moon dos The Who e John Bonham dos Led Zeppelin.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.