Explicar um trauma com os bonecos animados selvagens de Zemeckis

Com "Bem-vindos a Marwen", o realizador americano Robert Zemeckis volta a mostrar as suas invulgares qualidades para aplicar os mais modernos efeitos especiais - o filme teve lançamento direto num canal televisivo.

Assim vai o mundo cinematográfico: a pandemia faz de nós espectadores absolutamente caseiros, o que, entenda-se, não anula as descobertas mais ou menos fascinantes. Por amargura ironia, esta nem sequer é uma estreia televisiva motivada pelo encerramento das salas de cinema: como em muitos outros países, Bem-vindos a Marwen (2018), de Robert Zemeckis, foi colocado diretamente nos circuitos televisivos (podendo ser visto no canal TvCine Top).

O filme não será melhor nem pior por causa desta "despromoção" comercial. O certo é que, em sua defesa, não poderemos deixar de formular uma pergunta muito básica: será que chegámos a um ponto de atrofia da oferta do mercado que faz com que um nome consagrado e tão popular como Zemeckis - autor de grandes sucessos como a trilogia de Regresso ao Futuro (1985-89-90) ou Forrest Gump (1994) - já não encontre lugar nas salas escuras? A pergunta não procura "culpados", antes carece de respostas que evitem moralismos fáceis, podendo ganhar especial pertinência quando voltarmos a consumir os filmes nessas mesmas salas.

Não simplifiquemos. Importa também acrescentar que Bem-vindos a Marwen é um objeto artisticamente "selvagem", estranho aos valores atualmente dominantes no mercado global. Não há aqui heróis de videojogo, muito menos super-heróis a derrubar arranha-céus... "apenas" uma história delicada e comovente de um homem enredado num trauma brutal.

Na origem do filme está a personagem verídica de Mark Hogankamp, vítima de um violentíssimo ataque, no ano 2000, num bar, depois de confessar a cinco desconhecidos que gostava de usar elementos do vestuário feminino, em especial sapatos. A agressão deixou-o em coma durante 40 dias, saindo do hospital com escassas memórias da sua existência. De tal modo que inventou um universo de bonecos e pequenas construções - uma cidadezinha fictícia na Bélgica, durante a Segunda Guerra Mundial - que acabou por funcionar como um verdadeiro teatro "psicológico" para a reconstrução da sua identidade.

Zemeckis escreveu o argumento do filme com Caroline Thompson, tendo como ponto de partida um documentário sobre Hogankamp, realizado por Jeff Malmberg em 2010. E não deixa de ser sugestivo considerar que existe, aqui, uma paradoxal dimensão "documental" sobre tão singular ser humano: Zemeckis toma à letra as figurinhas que ele cria e fotografa, observando-as não como personagens de um mundo imaginário, antes como seres verdadeiros, concretos e abstractos, realmente animados, que habitam o mundo interior de Hogankamp.

Daí a sensação bizarra, visceralmente cinematográfica, de estarmos a penetrar num universo de radical surrealismo, mas também marcado por uma verdade afectiva e palpável, numa palavra, humana. A combinação da imagem de Hogankamp com os seus bonecos é tanto mais envolvente quanto Bem-vindos a Marwen aplica técnicas de figuração que confirmam Zemeckis como um dos mais ousados experimentadores de Hollywood: os efeitos especiais reflectem os recursos mais avançados da tecnologia, ao mesmo tempo preservando um gosto primitivo da manipulação dos objectos e das formas que faz pensar na herança de Georges Méliès.

Estamos a falar, afinal, do cineasta que dirigiu Quem Tramou Roger Rabbit? (1988), filme charneira na história moderna da figuração dos corpos, combinando de modo fulgurante os atores humanos e as personagens de desenhos animados. Bem-vindos a Marwen é uma nova derivação da sedução simbólica desse universo, não por acaso oferecendo-nos um Hogankamp que resulta da inclassificável sofisticação de um ator também para lá das normas - é ele Steve Carell, cómico e dramático, humano em todos os detalhes.

* * * * Muito bom

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG