"Estuário" de Lídia Jorge entre os 13 finalistas do Prémio Médicis 2019

Lídia Jorge é uma das mais importantes escritoras portuguesas e já recebeu vários prémios pelas suas obras literárias.

O romance "Estuário", de Lídia Jorge, está entre os 13 finalistas do Prémio Médicis 2019, ao lado de nomes como a norte-americana Joyce Carol Oates e o espanhol Manuel Vilas, anunciou a editora Dom Quixote.

Publicado em maio de 2018, o mais recente romance de Lídia Jorge foi anunciado, em França, como um dos 13 finalistas candidatos ao Prémio Médicis 2019, na edição francesa da Métailie, traduzida por Marie-Hélène Piwnik e com o título "Estuaire". Ao lado da escritora portuguesa, na corrida por este prestigiado prémio, estão, entre outros, escritores como a norte-americana Joyce Carol Oates, com o romance de 2017 "A book of american martyrs", e o espanhol Manuel Vilas, com "Ordesa", publicado em Portugal pela Alfaguara com o título "Em tudo havia beleza".

Na corrida estão ainda os escritores Nina Allan, Mircea Cartarescu, Selahattin Demirtas, Giorgio Falco, Arno Geiger, Christian Kracht, Jennifer Nansubuga Makumbi, Auður Ava Olafsdottir, Regina Porter e Edna O'Brien. O vencedor será anunciado no próximo dia 8 de novembro.

"Estuário" já tinha sido classificado pela imprensa francesa como um dos destaques da 'rentrée' literária naquele país. Neste romance, Lídia Jorge conta a história de Edmundo Galeano, que esteve numa missão humanitária, da qual regressou para casa do pai, sem parte da mão direita.

Consigo trouxe uma experiência para contar e uma recomendação a fazer por escrito, tendo a elaboração desse testemunho passado a ocupar completamente os seus dias. "'Estuário' pertence à categoria dos livros de premonição, através do enlace entre o desenho do futuro e a literatura", descreve a editora Dom Quixote.

Lídia Jorge estreou-se com a publicação de "O Dia dos Prodígios", em 1980, considerado um dos livros mais emblemáticos da literatura portuguesa pós-revolução. Desde então tem publicado vários títulos nas áreas do romance, conto, ensaio e teatro.

Em 1988, "A Costa dos Murmúrios" abriu-lhe as portas para o reconhecimento internacional, tendo sido posteriormente adaptado ao cinema por Margarida Cardoso. Entre muitos outros, Lídia Jorge publicou títulos como são "O Vale da Paixão," "O Vento Assobiando nas Gruas", "Combateremos a Sombra" ou "Os Memoráveis", obra que tem sido considerada como uma poderosa metáfora da deriva portuguesa das últimas décadas.

Aos seus livros têm sido atribuídos diversos prémios nacionais, alguns deles pelo conjunto da obra, como o Prémio da Latinidade, o Grande Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores -- Millenium BCP, ou mais recentemente o Prémio Vergílio Ferreira de 2015.

No estrangeiro, entre outros, Lídia Jorge venceu em 2006 a primeira edição do prémio ALBATROS da Fundação Günter Grass e, em 2015, o Grande Prémio Luso-Espanhol de Cultura.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.