'Being the Ricardos': o drama da comédia 'I Love Lucy'  

O próximo filme de Aaron Sorki é um olhar sobre os bastidores de uma das mais famosas sitcoms, com Lucille Ball e Desi Arnaz, interpretados por Nicole Kidman e Javier Bardem.

Na história da televisão americana, I Love Lucy é considerada uma das maiores séries de comédia de sempre. Estreou-se em 1951, na CBS, e esteve no ar durante seis anos, com 180 episódios que deram a conhecer a vida dos Ricardos, um casal protagonizado por Lucille Ball e Desi Arnaz, rapidamente convertidos nos comediantes mais populares do momento. O facto de serem marido e mulher na vida real dava a tudo um brilho particular: ela norte-americana, ele cubano, casaram em 1940 (apenas seis meses depois de se terem conhecido) e divorciaram-se em 1960, não muito depois do fim da série... Pois é, já nesse período em que, juntos, se mostravam hábeis na arte de fazer rir o público, o que se passava atrás das câmaras estava longe da alegria e ligeireza do programa. Duas décadas de intimidade tempestuosa.

É nesse lado dramático da relação de um casal que vendeu a felicidade aos telespectadores que se vai focar Being the Ricardos, a terceira longa-metragem de Aaron Sorkin, o reputado argumentista de Hollywood que tomou o gosto pela realização e, depois de Os 7 de Chicago (Netflix), troca a narrativa da sala de tribunal pelos bastidores da televisão. Desta vez produzido pela Amazon Studios, e em rodagem desde o início de março, o filme acompanha uma semana na vida das estrelas de I Love Lucy, em que umas das inúmeras crises da relação ameaça pôr termo ao casamento, levando atrás a famosa série televisiva. De resto, essa estrutura temporal (uma semana) correspondia à própria preparação de um episódio: o elenco juntava-se às segundas-feiras para a leitura do guião e gravava às sextas, num estúdio com plateia, em direto. Por aqui se pode vislumbrar a "arrumação" e inteligência do argumento de Sorkin.

Depois de Cate Blanchett ser falada para o papel de Lucille Ball, a escolha do realizador acabou por ser Nicole Kidman, atriz que surgirá ao lado de Javier Bardem, na pele do latino Desi Arnaz. Mas, ao princípio, a questão do casting não foi pacífica para os fãs da sitcom, que nas redes sociais criticaram a eleição de Kidman e pressionaram no sentido de ser Debra Messing (em parte pelas semelhanças físicas) a dar vida à personagem. A filha do casal, Lucie Arnaz - uma das produtoras executivas do filme, juntamente com o irmão Desi Arnaz Jr. - usou logo a sua conta de Facebook para dar resposta a tais reações, esclarecendo que Being the Ricardos não se trata de um remake de I Love Lucy: "Esta é a história de Lucille Ball, a minha mãe real - não Lucy Ricardo - e o seu marido, Desi Arnaz, o meu pai - não Ricky Ricardo."

A verdade daquilo que passará para a grande tela está, assim, assegurada pelos herdeiros dos comediantes que apadrinham o projeto. E já se fazem apostas, inclusive em publicações como a Variety, de que Being the Ricardos será um dos filmes do ano (ainda deste, entenda-se), com lugar marcado na próxima edição dos Óscares; depois de Os 7 de Chicago ter deixado Aaron Sorkin de mãos a abanar no final de uma cerimónia em que até era um dos favoritos... O segredo do sucesso pode estar então no drama de um casal icónico da cultura televisiva americana, que, em todo o caso, não deverá escapar à má-língua dos que esperam uma produção ao serviço da nostalgia envernizada.

A gravidez de Lucy

Dentro do pioneirismo de I Love Lucy, houve um marco e um episódio inesquecíveis. Tudo começou quando, no decorrer da segunda temporada, Lucille Ball ficou grávida do seu segundo filho, pondo em alvoroço a rede televisiva que transmitia a série. Motivo? Era um escândalo ter uma mulher grávida na televisão, por isso o cancelamento do programa afigurava-se o cenário mais do que provável, não fosse a insistência do argumentista Jess Oppenheimer, que conseguiu incluir a gravidez da protagonista na escrita dos episódios.

Com efeito, "Lucy is Enceinte" revelou-se um enorme sucesso, valendo à série mais seis episódios focados na espera do rebento da família. Mas foi "Lucy Goes to the Hospital", o episódio em que se dá as boas-vindas a Little Ricky, que rebentou com a escala das audiências: 44 milhões de espectadores sintonizaram no canal (o que corresponde a cerca de 72% das famílias americanas), superando a tomada de posse do Presidente Dwight Eisenhower no dia seguinte, esta com 29 milhões de espectadores... Seria o auge de uma experiência pioneira no meio televisivo americano, em que realidade e ficção se confundiram na imagem de uma barriga a crescer. E continua a ser uma das histórias mais acarinhadas da série porque, na vida real, Ball deu à luz Desi Jr. no mesmo dia - 19 de janeiro de 1953 - em que "Lucy Goes to the Hospital" foi para o ar!

Em Being the Ricardos, uma das responsabilidades de Nicole Kidman será captar a chama e carisma desta ruiva a quem chamaram a "Primeira-Dama da Televisão Americana", ou "a mulher mais popular na história do show business", como os jornais escreveram quando ela morreu em 1989. Mas isso, por certo, não intimida a atriz que já encarnou Grace Kelly e Virginia Woolf.

dnot@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG