Vereadora da cultura chocada com "atriz nua em palco a dizer asneiras"

Continua a polémica em volta do afastamento do diretor do Teatro Sá da Bandeira, em Santarém. Vereadora argumenta que a programação não agradava à população.

Uma programação que não interessa ao público da cidade por ser demasiado alternativa, incluindo até um espetáculo com uma atriz nua em cena e a dizer palavrões - estas foram as justificações da vereadora da cultura de Santarém, Inês Barroso, para o afastamento do diretor do Teatro Sá da Bandeira, Pedro Barreiro.

A vereadora afasta assim a hipótese de saneamento político - a acusação que tinha sido feito por Pedro Barreiro, por ser filho de Rui Barreiro, candidato socialista derrotado nas eleições autárquicas de 1 de outubro, e por durante a campanha eleitoral ter tecido duras críticas ao presidente social-democrata Ricardo Gonçalves, entretanto reeleito.

Mas não consegue afastar a polémica. "Atriz nua choca vereadora da cultura" é a manchete da última edição do jornal regional ORibatejo, referindo-se a declarações de Inês Barroso na Assembleia Municipal da passada segunda-feira. De acordo com o jornal, quando questionada sobre a saída do diretor do teatro, a vereadora explicou que a programação não agradava à população. E deu um exemplo: após a apresentação, a 2 de dezembro, da peça O Mandarim, foi "bombardeada" com "chamadas de pessoas indignadas porque tínhamos uma atriz nua em palco a dizer asneiras, um comportamento não digno para o teatro municipal e, obviamente, que se os munícipes fazem reportes de desagrado, temos de reapreciar tudo o que foi feito no Teatro Sá da Bandeira".

O Mandarim - Apóstrofe e Paciência era um espetáculo construído a partir d"O Mandarim, romance de Eça de Queiroz, numa coprodução Teatro Sá da Bandeira / Activo Tóxico Artistas Associados. A direção artística era de Pedro Barreiro e a atriz que aparecia nua era Sandra Oliveira, que não tardou a reagir às declarações da vereadora:

Afastamento político?

No entanto, a polémica já tinha começado antes. Ator e encenador, Pedro Barreiro, de 31 anos, iniciou a sua atividade à frente do Teatro Municipal Sá da Bandeira em janeiro de 2015. Durante a campanha para as últimas eleições autárquicas, em que o seu pai era candidato, o diretor do teatro usou a sua página de Facebook para criticar a "mediocridade" da gestão social-democrata.

Após as eleições, a notícia do afastamento de Pedro Barreiro foi dada pelo jornal O Mirante a 31 de outubro, citando o próprio presidente da Câmara: "O autarca pensou que iria ouvir um pedido de desculpa ou um pedido de demissão, mas o jovem abordou apenas questões relacionadas com o TSB. "Não fez uma coisa nem outra", disse Ricardo Gonçalves a O Mirante, informando que não vai renovar-lhe a avença e que pretende "dar um novo rumo ao Teatro Sá da Bandeira".

Contactado pelo jornal nessa ocasião, o diretor do teatro dizia que não sabia ainda o que iria acontecer depois: "Todos os dados de que disponho me garantem que o executivo municipal está sobejamente satisfeito com o trabalho que tenho vindo a realizar no Teatro Sá da Bandeira", respondeu.

E sobre o facto de o presidente da Câmara não ter gostado das críticas que lhe tinha feito: "Não estou preso a nenhum tipo de disciplina de pensamento ou de expressão e até me custa a acreditar que possa estar a sugerir uma situação de delito de opinião num Estado democrático e no séc. XXI. Eu, como qualquer cidadão no exercício dos seus direitos e dos seus deveres, tenho toda a legitimidade para avaliar abertamente quem exerce funções de gestão pública."

Programação demasiado alternativa

Entretanto, a avença do diretor do Teatro Municipal Sá da Bandeira terminou a 30 de novembro e a programação estava assegurada até 16 de dezembro. Pedro Barreiro deixou o teatro mas a polémica continuou, nos jornais locais e nas redes sociais. O assunto voltou a ser debatido na reunião da Assembleia Municipal da passada segunda-feira, por iniciativa do vereador socialista João Catela. O presidente da autarquia Ricardo Gonçalves explicou que não houve demissão mas simplesmente a não renovação de uma avença, e reassumiu que a saída teve a ver com a intenção de mudar o rumo da política cultural do espaço que, em seu entender, não estava a resultar.

Inês Barroso afirmou nessa ocasião que o município está a confirmar "todos os dados" relativos à atividade do TSB durante 2017, apontando para uma afluência média de público da ordem dos 30% da capacidade da sala (203 lugares), faltando apurar quantos bilhetes foram pagos e quantos foram convites. Segundo os dados facultados pela vereadora, ao longo do ano de 2017 realizaram-se 30 espetáculos no TSB, com um custo total de 34 565 euros. "Tudo o que é cultura é investimento mas há que ter contenção nas despesas", assumiu a responsável, revelando que houve um espetáculo em que a venda de bilhetes se cifrou em 70 euros (14 bilhetes), sinónimo da falta de interesse que o mesmo suscitou no público.

Em declarações à agência Lusa, na passada terça-feira, Inês Barroso (que juntou o pelouro da Cultura aos da Educação e do Ambiente que já tutelava no anterior mandato) confirmou a sua avaliação bastante negativa da atividade do teatro municipal, considerando que, além dos números, com uma afluência e uma receita aquém do que considera desejável, também a orientação seguida por Pedro Barreiro não cumpria duas premissas no seu entender essenciais para aquele espaço: servir a população escolar e ter uma programação que sirva vários públicos. "Também é importante ter espetáculos contemporâneos, mas não podemos ter tudo do mesmo, sobretudo quando ainda não existe maturidade do público", disse a vereadora.

Ouvido pela Lusa, Pedro Barreiro afirmou que esta declaração "revela ignorância em relação ao que aconteceu nos últimos três anos" no TSB, lamentando que nem a vereadora nem o presidente da Câmara, Ricardo Gonçalves, tenham seguido a programação do teatro. "Nunca os vi assistirem a um espetáculo. Bastava que tivessem seguido a programação para verem que foi mais do que diversificada - desde dança, teatro, performances, música -, dos mais diversos géneros e abordagens", disse.

E a prová-lo publicou na sua página de Facebook, uma lista com alguns dos espetáculos apresentados naquele teatro nos últimos três anos, onde se encontram nomes como o dos coreógrafos João dos Santos Martins, Vera Mantero, Sónia Baptista, João Fiadeiro, São Castro e António Cabrita, os encenadores Rui Catalão e Rogério Nuno Costa, os coletivos Terceira Pessoa, Teatro do Vestido, Rabbit Hole e Circolando, os músicos Irmãos Catita ou Luís Severo.

Pedro Barreiro afirmou que também a declaração sobre a vertente educativa revela "desconhecimento" das várias tentativas que fez para a criação de um serviço educativo, para o qual o município "nunca deu condições". E críticou ainda a "equipa reduzida" e o "orçamento ridículo" que teve à sua disposição, com muitos grupos a aceitarem atuar sem 'cachet', apenas com a receita de bilheteira.

Pedro Barreiro disse recear que, depois do mandato de uma vereadora (Susana Pita Soares) aberta a uma "programação plural", se siga um período de "muito pouca exigência e de embrutecimento, com uma programação para massas e com eventos à imagem do Reino do Natal", seguindo "políticas eleitoralistas" e não de serviço público.

Neste momento, o teatro tem apenas uma programação de cinema. Sobre o futuro, na reunião camarária, a vereadora Inês Barroso tinha já adiantado que a programação do teatro "irá apostar em atividades para as escolas do concelho, e em espetáculos que agradem às massas". À Lusa, acrescentou que está a avaliar se o concurso para diretor do TSB, aberto no final do anterior mandato - a que terão concorrido perto de uma centena de candidatos, entre os quais Pedro Barreiro - se mantém ou não, tanto porque a lei que permite a integração de precários pode resolver a situação das pessoas que estavam a recibo verde, como porque está em análise a pertinência da existência de um diretor para cada espaço cultural da cidade ou a opção por uma gestão conjunta.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.