Espólio de Hermano Saraiva rendeu mais do dobro do valor esperado

Receita das peças leiloadas foi de 700 mil euros, a ser repartida pelos cinco filhos do historiador

O leilão do espólio do historiador José Hermano Saraiva, que decorreu entre quarta e sexta-feira, conseguiu superar o valor esperado que estava estimado em 300 mil euros. As peças - entre elas dois capitéis romanos que foram adquiridos pelo Museu de Lisboa - renderam 700 mil euros, que serão repartidos pelos cinco filhos do ex-ministro da Educação, que morreu em 2012.

De acordo com o Correio da Manhã, ficou "muito pouco por vender" do que foi levado a leilão, no Palácio do Correio Velho, em Lisboa. Os dois capitéis - cuja base de licitação estava fixada nos oito mil euros, renderam 20 500 euros e foram adquiridos pela autarquia com destino ao Museu de Lisboa.

As peças "Santas Mães", que se esperava que fossem compradas por um valor superior a 20 mil euros - a base de licitação - foram adquiridas pelo valor exato, mas foram muitas as pessoas - mais de mil - que se dirigiram ao Palácio do Correio Velho porque queriam ficar com uma recordação do historiador, professor e narrador da história na televisão portuguesa..

A receita resultante da venda das peças do historiador pode ainda aumentar, uma vez que decorrem leilões online.

"O meu pai não era um colecionador sistemático, que procurasse coisas intrinsecamente pelo valor que tinham. Colecionava com dois critérios, principalmente: a beleza das peças e a profundidade histórica que tinham, o que é que tinha acontecido na época em que aquela peça foi feita. Eram referências para o conhecimento do passado que ele tinha", disse Rodrigo Saraiva, professor universitário, ao DN, antes do leilão.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.