Açucarados tesouros madeirenses em exposição em Lisboa

O Museu Nacional de Arte Antiga inaugura amanhã "As Ilhas do Ouro Branco - Encomenda Artística na Madeira (séculos XV-XVI), uma seleção das obras que os dividendos do açúcar trouxeram para a ilha.

Antecipando os 600 anos do descobrimento da Madeira, o Museu Nacional de Arte Antiga inaugura esta quarta-feira a exposição As ilhas do ouro branco - Encomenda Artística na Madeira (séculos XV-XVI), um conjunto de obras cuja chegada coincide com a pujança económica da ilha fruto do cultivo e comércio de açúcar.

Um produto que se tornou tão importante na economia local que entrou nas armas da cidade do Funchal e ainda hoje permanece e cuja evocação se faz na exposição que na quinta-feira abre ao público através de um pote de purgar o açúcar, um pão de açúcar, gravuras do processo e objetos com as armas gravadas.

Estas são algumas das 86 peças selecionadas pelos curadores Fernando Baptista Pereira e Francisco Clode de Sousa para a galeria de exposições temporárias do museu, abrindo as celebrações dos 600 anos da descoberta do arquipélago da Madeira, como avançou o diretor do Museu de Arte Antiga, António Filipe Pimentel.

"É uma exposição que começa em Lisboa porque foi em Lisboa que começaram os Descobrimentos e porque a Madeira é uma região virada para o mundo, dando início às comemorações dos 600 anos do Descobrimento da Madeira e do Porto Santo, que se vão prolongar ao longo de todo o 2018 e 2019", segundo a secretária regional da Cultura e Turismo da Madeira, Paula Cabaço.

"Tratou-se de um encontro com uma terra virgem. Ao contrário de África, América ou Oriente, não havia vida autóctone", refere o diretor do museu, enquadrando os acontecimentos do início do século XV quando o Porto Santo é descoberto em 1418 e a Madeira um ano depois. A colonização terá começado em 1425. "É para esse território que se expande a Europa, a partir de Portugal, testado soluções de organização administrativa e eclesiástica, que são depois aplicadas em grande escala no Brasil", acrescenta, referindo-se às capitanias, por exemplo. A Madeira desse século divide-se em três partes. Porto Santo, por lado; o norte da Madeira, com capital no Machico; e o sul, cuja cidade mais importante é o Funchal. Os territórios são liderados por capitães-donatários: Bartolomeu Perestrelo, Tristão Vaz Teixeira e Gonçalves Zarco, respetivamente.

Os cereais foram a primeira forma de exploração agrícola da ilha, substituída pouco depois pela cana-do-açúcar, proveniente da Sicília e já com experiências desenvolvidas no Algarve. São desta zona do país e do Alentejo parte dos primeiros colonos da ilha.

A cana sacarina aclimatou-se à Madeira tal como se "aclimatou uma elite de cavaleiros fidalgos mercadores que se revela original na sua encomenda e que ultrapassa a própria encomenda régia", segundo o diretor.

As peças que aqui se mostram são oriundas do acervo do próprio Museu Nacional de Arte Antiga, como o retábulo de São João de Latrão, mas sobretudo do Museu de Arte Sacra da Madeira, do Museu da Quinta das Cruzes e de várias igrejas e capelas espalhadas por toda a diocese, como explica o curador Francisco Clode de Sousa, diretor de serviços de Museus e Património da Madeira, comissário da exposição. "Não são só peças de museus, estão também em igrejas e capelas", refere. "Ainda temos alguns casos capelas muito pequenas e modestas cujo interior tem um esplendoroso retábulo. Isso é uma forma de caracterizar o que foi este apelo do século XVI e este deslumbramento pela importação de grandes obras de arte. Com esta dupla dimensão: grandes em dimensão e grandes em qualidade".

"As Ilhas do Ouro Branco - Encomenda Artística na Madeira (séculos XV-XVI) pode ser vista até 18 de março.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.