Uma vitória natural depois de resistir aos sobressaltos

Foi um triunfo mais natural do que tranquilo, mas o Benfica soube travar a reação do Dínamo e passou, como lhe competia, em Kiev. Marcaram Salvio (de penálti) e Cervi

Foi uma vitória limpa - justa e feliz - mas com alguns sobressaltos. Ontem, com um triunfo mais natural (tendo em conta a qualidade de ambas as equipas) do que tranquilo, o Benfica passou em Kiev (0-2, golos de Salvio e de Cervi) e manteve-se bem vivo na luta pelo apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. No entanto, com o surpreendente triunfo do Besiktas em Nápoles (2-3), as contas continuam apertadas para as águias.

A visita ao Dínamo Kiev - para a 3.ª jornada B da Liga dos Campeões - tinha tudo para ser uma noite tranquila, quando, ao nono minuto de jogo, o Benfica se adiantou no marcador. Todavia, aos poucos foi-se intranquilizando, mais por inércia benfiquista do que pelo mérito ucraniano. Nos momentos decisivos, a reação das águias chegou para manter as distâncias e confirmar um importante triunfo - o primeiro da equipa encarnada nesta edição da liga milionária.

O Benfica marcou cedo - por Salvio, na transformação de um penálti (bola para um lado, guarda-redes para o outro), após Antunes rasteirar Gonçalo Guedes na área - e fechou-se bem, no momento da resposta inicial do Dínamo. Porém, a partir do minuto 20, foi perdendo a batalha do meio-campo e mostrando dificuldades na construção ofensiva: só voltou a ameaçar Rudko num remate à figura, de Salvio, após uma jogada de entendimento com Nelson Semedo (aos 32").

Então, Yarmolenko começara a pôr em sobressalto a defesa encarnada, assistindo Derlis González, para uma cabeçada a rasar a barra (25"), e Sydorchuk, para um disparo às malhas laterais (40"). Foram dois avisos claros: o Benfica teria de surgir diferente na segunda parte.

Assim aconteceu. A equipa de Rui Vitória regressou mais tranquila dos balneários. E voltou a ter a felicidade de marcar cedo: Salvio assistiu Cervi, que, depois de um primeiro remate contra Mitroglou, não perdoou (55").

O golo propiciou novos sobressaltos para o Benfica. O Dínamo de Kiev reagiu de pronto e criou quatro oportunidades no espaço de cinco minutos, entre os 60" e os 65": Ederson travou remates de Júnior Moraes (irmão de Bruno Moraes, antigo jogador do FC Porto), Yarmolenko e Sydorchuk... e, pelo meio, quase comprometeu, numa saída em falso de entre os postes (Yarmolenko desaproveitou a oferta e disparou ao lado).

A partir daí, o Benfica soube travar a reação da equipa ucraniana. E controlou a passagem do tempo a seu bel-prazer, com um meio-campo reforçado e de olho em possíveis contra-ataques rápidos (entraram Celis e Raúl Jiménez, nos minutos finais). Um remate de Yarmolenko desviado por Lindelöf (86") e outro de Júnior Moraes por cima da baliza (já após os 90") foram os últimos picos de intranquilidade, que não chegaram para abalar a certeza - e justeza - da vitória encarnada.

Besiktas complica contas

No entanto, ao normal desenrolar dos acontecimentos em Kiev (o cabeça-de-série a vencer uma das equipas com pior ranking no Grupo B) não correspondeu um resultado tão "natural" no outro jogo da noite. Com dois golos de Aboubakar (38" e 86") e um de Adriano (13"), a passe de Quaresma, o Besiktas surpreendeu o Nápoles - marcou por Mertens (30") e Gabbiadini (69", de penálti) e, pelo meio, falhou outro penálti (Insigne, 50").

Assim, o Benfica - que até passou boa parte da jornada num provisório 2.º lugar do grupo - fica-se pela 3.ª posição, a um ponto dos turcos e dois dos italianos. E tem de voltar a cumprir com o Dínamo, em casa (1 de novembro), para encarar a hora das decisões - viagem à Turquia e receção ao Nápoles - com outra tranquilidade.

Relacionadas

Últimas notícias

A tradição deu as boas-vindas à modernidade. O grupo de Zés-Pereiras Unidos da Paródia recebeu o MIMO em Amarante com uma atuação no largo da Igreja de São Gonçalo, antes do programa do festival começar, numa noite que juntou no Parque Ribeirinho Três Tristes Tigres, Tinariwen e Nação Zumbi. Após os gigantones terem saído de cena, um grupo de brasileiros radicados em Portugal aproveitou para tirar fotografias empunhando mensagens contra Michel Temer e a rede Globo e de apoio à Nação Zumbi.

O histórico grupo brasileiro foi o último a tocar na primeira noite do festival, já de madrugada, mas antes, ao fim da tarde, participou numa conversa no Fórum de Ideias. Moderado pelo consultor editorial Tito Couto, o encontro com o guitarrista Lúcio Maia e com o baixista Dengue foi um cartão de visita para quem não conhecia bem o grupo de Recife, e em especial do seu malogrado líder, Chico Science. Lúcio Maia lembrou que nos anos 80 a cidade chegou a estar classificada como a quarta pior do mundo para viver - e que a origem do nome do movimento manguebeat se deve à ideia de "afetividade" de Chico Science para com os manguezais, porque Recife foi construída à custa do aterro dos mangues. Sobre a mistura de sonoridades que caracteriza a Nação Zumbi, Dengue comentou: "Foi uma sacada muito grande do Chico. No final das contas, o nosso som era inclassificável, coisas de Pernambuco com o rock. Até para nós, hoje, soa estranho e novo o primeiro disco."

Nada estranho foi o primeiro concerto do festival, o do Quarteto Arabesco com Pedro Jóia. O grupo de cordas e o guitarrista encheram a Igreja de São Gonçalo com um repertório que começou na clássica (Luigi Bocherinni), passou pelo mestre Carlos Paredes, prosseguiu com Armandinho e Raul Ferrão, e culminou nas variações sobre fado corrido, da autoria de Jóia. Um arranque tranquilo e virtuoso. A poucos metros de distância, no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, um septuagenário carioca com aura de lenda estreava-se em Portugal: Jards Macalé.

Mas o momento de maior simbolismo foi protagonizado por outro compatriota e colega de ofício, quando se viu Rodrigo Amarante a distribuir abraços a fãs a meio da ponte de São Gonçalo. Sobre o Tâmega também houve ação política: um movimento ambientalista passava a mensagem contra o projeto de construção de uma barragem no curso do rio. Nem tudo é música num festival como o MIMO.

E prova da importância para a região deste evento, o ministro da Economia Manuel Caldeira Cabral aproveitou a deslocação à cidade, na qual inaugurou uma start-up, para conhecer o festival, acompanhado do autarca e da organizadora, Lu Araújo.

Partilhar

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Desporto
Pub
Pub