TripAdvisor deixa de vender bilhetes para atrações com baleias e golfinhos

Site de viagens e atrações sugere que sejam criados santuários em ambiente marinho para os mais de dois mil cetáceos que se encontram em cativeiro.

"Não vamos vender mais experiências para atrações que continuem a contribuir para o cativeiro de futuras gerações de cetáceos (baleias, golfinhos e botos)". O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo TripAdvisor, que decidiu encerrar todo o tipo de ligações comerciais com espaços que mantenham estes animais em cativeiro.

Nos próximos meses, adianta a empresa, todos os produtos que violem as novas regras serão removidos dos sites, para que até ao final do ano não exista qualquer experiência com cetáceos em cativeiro à venda.

Segundo os responsáveis pelo site, a decisão foi tomada depois de "um extenso processo de consulta" com vários especialistas, nomeadamente biólogos marinhos e zoólogos, tendo em conta "as evidências e argumentos científicos" apresentados.

A empresa concluiu, assim, que as baleias e os golfinhos não prosperam em cativeiro. "Estes são animais altamente inteligentes, com necessidades complexas", pelo que os seus habitats não podem ser limitados "em instalações interiores e pequenas baías marítimas".

Esta é uma medida que se insere na política de bem-estar animal da empresa, que em 2016 deixou de vender bilhetes para experiências de turismo em que os visitantes entrassem em contacto físico com animais selvagens em cativeiro ou espécies em risco de extinção.

Em 2018, a empresa também já tinha deixado de vender entradas para espetáculos com animais selvagens ou em vias de extinção que fossem forçados a fazer truques humilhantes ou comportamentos não naturais.

Para a mais recente mudança, o TripAdvisor teve em conta a mudança de hábitos do consumidor. Num estudo feito com mais de 5000 clientes da plataforma, 42% disseram que não acham que as baleias e os golfinhos devem ser mantidos em cativeiro por qualquer razão, enquanto 80% defenderam que os cetáceos não devem ser usados para fins de entretenimento.

De acordo com os dados revelados pela plataforma, mais de 2000 baleias, golfinhos e botos são mantidos em cativeiro em todo o mundo, sendo que, na maioria das vezes, não podem ser libertados na natureza.

Por isso, o TripAdvisor sugere que se criem santuários em ambiente marinho que respondam às necessidades destes cetáceos, proporcionando-lhes melhor qualidade de vida.

"Para a atual geração de baleias e golfinhos em cativeiro, acreditamos que os santuários são a melhor solução a longo prazo", lê-se no site.

Para estes responsáveis, o anuncio feito nesta quinta-feira representa "um avanço significativo". "Esperemos que outras indústrias do setor do turismo o sigam", referem.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...