Templo perdido com 2200 anos foi descoberto por acaso no Egito

Foi quando perfuravam a terra para construir um esgoto que trabalhadores encontraram o que se estima ser um templo que terá pertencido ao faraó Ptolomeu IV.

Arqueólogos do Egito descobriram um templo com 2200 anos que terá pertencido ao faraó Ptolomeu IV. A antiga estrutura foi encontrada acidentalmente por trabalhadores da construção civil durante a perfuração de um esgoto na aldeia de Kom Shakau, no município de Tama, de acordo com um post no Facebook feito pelo Ministério das Antiguidades do Egito.

O trabalho de perfuração foi suspenso após a descoberta. Os arqueólogos encontraram rapidamente inscrições de pedra com fragmentos de texto com o nome de Ptolomeu IV, o quarto faraó da dinastia ptolomaica do Egito.

Até agora, a equipa descobriu duas paredes e o canto sudoeste da estrutura de calcário, gravada com esculturas de Hapi, o deus egípcio da inundação anual do rio Nilo.

Especialistas estão agora a trabalhar para salvar o que resta do templo, que fica na margem oeste do Nilo, avança a CNN.

Ptolomeu IV governou o Egito de cerca de 221 AC a 204 AC. O seu governo não foi bem-sucedido e o faraó estava mais interessado em concretizar empreendimentos artísticos do que na realeza. Textos antigos indicam que o faraó terá construído a maior embarcação movida pela força humana já feita. Com o nome de tessarakonteres ("Quarenta"), tinha 40 bancos de remos, operados por 4000 remadores.

A descoberta do templo antigo é a mais recente de uma série de descobertas arqueológicas em 2019. Com isso, o Egito espera aumentar o interesse no turismo após a revolta do país em 2011.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.