Quantos anos perdemos com o ar poluído? Em Portugal a média é de cinco meses

Uma pessoa viveria em média mais 2,6 anos se o ar que respiramos estivesse livre de qualquer tipo de poluição, diz um estudo da Universidade de Chicago. Portugal está abaixo da média mundial.

Quantos anos de vida perdemos devido ao ar que respiramos? Como se pode medir? Foi para dar resposta a estas questões que investigadores da Universidade de Chicago realizaram um estudo onde procuraram encontrar uma forma de tornar as medições da qualidade do ar menos abstratas e para que fosse possível verificar quais as regiões em que há piores consequências para a saúde. Portugal entra na listagem e, segundo o estudo, as partículas no ar fazem perder cinco meses de vida a cada residente no país. Bem abaixo da média mundial que se cifra em 2,6 anos.

Das conclusões deste trabalho científico, divulgado pelo The Washington Post, ressalta que a poluição mais responsável por encurtar vidas consiste nas mais pequenas partículas transportadas pelo ar, chamadas PM2.5. São pequenas o suficiente para penetrar nos pulmões e na corrente sanguínea, causando problemas respiratórios e cardiovasculares, cancro e até demência. São partículas más para pessoas saudáveis e terríveis para crianças pequenas, idosos e qualquer pessoa que já tenha problemas cardíacos ou respiratórios.

Além disso, são tão leves que podem ficar suspensas no ar por um longo tempo e viajar com o vento, razão pela qual os incêndios florestais na Califórnia desencadearam alertas de qualidade do ar e forçaram o encerramento de escolas a muitos quilómetros de distância.

A equipa de Chicago começou com dados de satélite que mapearam a concentração anual de PM2,5 no ar em todo o mundo, de 1998 a 2016. Filtraram as partículas que são provenientes da poeira e do sal marinho - menos de um quinto do total - para se concentrarem na maioria, que é gerada pela combustão de combustíveis fósseis, queimadas e outras atividades humanas. Calcularam então quanto tempo as pessoas viveriam se o ar que respirassem tivesse menos - ou nenhuma - dessas partículas. O resultado do projeto é o índice de qualidade da qualidade do ar, medido em números que evidenciam grandes diferenças entre os países.

Na Europa, o pior país é a Polónia onde as pessoas perdem em média dois anos de vida devido a estas partículas. Em Portugal perde-se seis meses de vida com a poluição, igual a Espanha. Os números na União Europeia são, em geral, bons se comparados com outras regiões do mundo.

Os números são um aviso apenas, alertam os cientistas, e não constituem uma sentença de morte. Refletem o que se poderia esperar se as pessoas passassem a vida a respirar a quantidade média de poluição que foi medida na sua região de residência durante cada ano no estudo.

"O presente não é o destino", disse Michael Greenstone, diretor do Energy Policy Institute, da Universidade de Chicago, e principal autor do relatório desta investigação. "Quando você olha em redor do mundo, constata que políticas vigorosas podem realmente mudar a qualidade do ar e prolongar a vida das pessoas".

China melhorou

Um exemplo é a China, que é conhecida pela dependência do carvão e por altos níveis de poluição do ar. Foi também onde o projeto de Chicago se iniciou. No ano de 2010, Greenstone pesquisou comunidades ao longo do rio Huai, que traça um enorme caminho pelo meio do país. As pessoas ao norte e ao sul do rio tinham vidas quase idênticas, mas as que residiam a norte aqueciam as casas com caldeiras de carvão. Morreram em média 3,1 anos mais cedo do que os vizinhos do sul, que não tinham aquecedores.

Ao comparar a poluição de partículas finas e o tempo de vida nas cidades ao longo de ambos os lados do rio, a equipa conseguiu vincular a concentração de PM2.5 à expectativa de vida. Isto em 2013. No ano seguinte, o governo chinês reagiu à indignação pública e lançou uma "guerra à poluição". O país fechou algumas minas de carvão, limitou indústrias como a siderúrgica, levou a que as cidades reduzissem as emissões e proibiu novas indústrias a carvão. Em quatro anos, as áreas mais populosas do país cortaram as concentrações de PM2,5 numa média de 32%. Só no ano passado, a poluição de Pequim caiu 20%.

A Índia, por seu lado, ainda não criou uma tendência para limpar o seu ar. Um documento de 2016 descobriu que a poluição do ar contribui para meio milhão de mortes prematuras a cada ano. Pessoas em algumas zonas perto de Delhi, a metrópole mais poluída do mundo, perdem uma década ou mais na expectativa de vida.

"Não acontece em todos os lugares, mas na maior parte dos EUA a poluição do ar está sob controlo", disse Greenstone. A pior área para a poluição por partículas nos Estados Unidos é o sul da Califórnia, de acordo com os dados de 2016, registados antes dos enormes incêndios florestais dos últimos dois anos. Em segundo lugar encontram-se partes do estado de Ohio, onde as pessoas podem esperar perder quase 16 meses.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.