Nobel da Física vai para Arthur Ashkin, Gérard Mourou e Donna Strickland

Donna Strickland é a primeira mulher a ganhar o prémio nos últimos 55 anos, numa área em que só duas venceram: Maria Goeppert Mayer em 1963 e Marie Curie.

Pinças de luz que conseguem mover objetos e lasers de muito alta intensidade. O Nobel da Física deste ano vai para um americano, um francês e uma canadiana pelas suas descobertas de luz que revolucionaram a tecnologia e a forma como a usamos. Hoje a Academia Sueca distingue Arthur Ashkin, Gérard Mourou e Donna Strickland pelos seus trabalhos na área da física do laser.

Arthur Ashkin, hoje com 96 anos, desenvolveu a "pinça ótica e a sua aplicação em sistemas biológicos", que tornou possível "agarrar partículas, átomos e moléculas com os seus dedos de laser", explica a Academia.

O francês Gérard Mourou e a canadiana Donna Strickland partilham a outra metade do prémio pelo seu trabalho sobre impulsos de laser muito curtos e intensos, com aplicações em cirurgias laser nos olhos.

Donna Strickland é a primeira mulher a ganhar o prémio nos últimos 55 anos, numa área em que só duas mulheres venceram: Maria Goeppert Mayer em 1963 e Marie Curie. "Pensei que fossem mais", revelou, ao ser informada que era a terceira mulher a receber o prémio, em direto.

Pinças de luz e lasers de alta intensidade

As invenções distinguidas este ano "revolucionaram o campo da física dos lasers", explica a Fundação Nobel. "Objetos extremamente pequenos e processos incrivelmente rápidos podem hoje ser vistos a uma nova luz, graças aos trabalho ddos três laureados deste ano", adianta a organização, sublinhando que os trabalhos dos laureados deste ano tiveram enormes implicações na utilização que as sociedades modernas fazem das tecnologias.

Arthur Askin, que nasceu nos Estados Unidos em 1922, e se torna assim a pessoa mais velha de sempre a receber um prémio Nobel, inventou um instrumento completamente novo, quando trabalhava nos Laboratórios Bell. Umas pinças óticas que conseguem agarrar objetos tão ínfimos como um simples átomo, vírus, ou ainda células vivas, graças aos seus "dedos" feitos de luz laser.

Esta nova ferramenta, sublinha a Fundação Nobel, permitiu-lhe concretizar um velho sonho da ficção científica, que também era o seu: o de usar usar a luz para mover objetos - "beam me up, Spock", não soa familar?

O francês Gérard Mourou, de 74 anos, e a canadiana Donna Strickland, 59, que cedo começaram a trabalhar juntos, conceberam em conjunto uma nova técnica para criar pulsos intensos de luz de laser, que acabaram por se tornar uma tecnologia standard para produzir lasers de alta intensidade e revolucionaram, entre outras, as cirurgias médicas.

Estes lasers são hoje utilizados por rotina em cirurgias de alta precisão, como acontece nas cirurgias oftalmológicas.

No ano passado o prémio foi para Barry C. Barish, Rainer Weiss e Kip S. Thorne, pelo estudo e "observação das ondas gravitacionais", o fenómeno previsto por Einstein e que foi finalmente observado cerca de 100 anos depois.

O prémio Nobel da Física, com um valor pecuniário de nove milhões de coroas (870 mil euros), é o segundo destes galardões a ser anunciado, seguindo-se, nos próximos dias, os da Química, da Paz e da Economia.

Na segunda-feira, o Nobel da Medicina foi atribuído ao norte-americano James P. Allison e ao japonês Tasuku Honjo pelas suas descobertas sobre o papel do sistema imunitário no tratamento do cancro.

Em atualização

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG