VIH usado para curar crianças com imunodeficiência severa

Cientistas americanos revelaram que usaram o VIH para concretizar uma terapia genética que curou oito crianças com imunodeficiência severa combinada, conhecida pela doença do "rapaz da bolha".

Cientistas americanos revelaram que usaram o VIH para concretizar uma terapia genética que curou oito crianças com imunodeficiência severa combinada (SCID), conhecida pela doença do "rapaz da bolha". Os resultados da investigação, desenvolvida num hospital do Tennessee, foram publicados no New England Journal of Medicine, citado pela BBC.

Os bebés, nascidos com pouca ou nenhuma proteção imunológica, têm agora sistemas imunológicos totalmente funcionais, de acordo com o estudo. As crianças não tratadas com este distúrbio têm de viver em condições completamente estéreis e tendem a morrer ainda bebés.

A terapia genética usada envolveu a recolha da medula óssea dos bebés e a correção do defeito genético no seu ADN logo depois do nascimento. O gene "correto" - usado para reparar o defeito - foi inserido numa versão alterada do vírus VIH, que causa a sida.

Os investigadores disseram que a maioria dos bebés recebeu alta do hospital no espaço de um mês. Ewelina Mamcarz, médica do hospital St Jude, em Memphis (EUA), e uma dos autores do estudo, escreveu num comunicado: "Estes pacientes estão agora a reagir à vacinação e têm sistemas imunológicos para fabricar todas as células imunológicas que precisam para proteção contra infeções enquanto exploram o mundo. E viver vidas normais". "Esta é a primeira vez para pacientes com SCID-X1", acrescentou, referindo-se ao tipo mais comum de SCID.

Os pacientes foram tratados no Hospital Pediátrico de Investigação St. Jude, em Memphis, e no Hospital Pediátrico da UCSF Benioff, em San Francisco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Europa

"Não sou capaz de imaginar quem eu seria se não existisse a União Europeia"

Mafalda vive em Londres com um francês, Jorge vive em Bruxelas com uma espanhola, Daniel vive em Lisboa com o polaco Bartek, que conheceu em Berlim. Estudaram através de programas europeus, circularam pelas fronteiras abertas e apaixonaram-se por nacionais de outros países da UE. Europeus como nós, sabem exatamente, ao contrário da maioria, o que isso quer dizer - e o quão importante é para eles.