Plano para erradicar paludismo em S.Tomé com mosquito geneticamente modificado

Responsáveis da Universidade da Califórnia apresentaram esta segunda-feira ao Governo de São Tomé e Príncipe uma nova fórmula para a erradicação do paludismo baseada na introdução no país de um mosquito geneticamente modificado.

Num workshop realizado esta segunda-feira na capital são-tomense, peritos da universidade norte-americana defenderam a introdução, no arquipélago, de um mosquito geneticamente modificado como solução mais sustentável de combate à doença.

"O que a Universidade da Califórnia está a propor é uma abordagem inovadora para o controlo da malária em São Tomé e Príncipe e não só", disse aos jornalistas João Pinto, professor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) da Universidade Nova de Lisboa, em Portugal, que está em São Tomé a colaborar com elementos da universidade norte-americana.

Segundo os especialistas, trata-se de "uma nova esperança" para, de forma sustentável e com baixo custo, erradicar totalmente o paludismo no país.

João Pinto explicou que a experiência é "baseada na modificação das populações dos mosquitos que transmitem o parasita do paludismo de modo a que eles deixem de transmitir esse parasita e, assim, eliminar de vez com a malária".

O mosquito geneticamente modificado com a tecnologia mais avançada neste momento no mundo foi a solução apresentada às autoridades de São Tomé e Príncipe durante o workshop, presidido pelo ministro são-tomense da Saúde, Edgar Neves.

A primeira fase de estudo nos laboratórios determinou o sucesso na introdução de ADN no mosquito modificado, que bloqueia a 100 por cento a transmissão do parasita ao ser humano, referiu o professor do IHMT, sem avançar data para a introdução do teste em São Tomé.

"Ainda não existe previsões concretas. Para já o que se está a propor é uma colaboração com as autoridades de saúde de São Tomé de modo a que se possa fazer um estudo de dois anos para se avaliar a biologia e a ecologia da população dos mosquitos locais, para então tomarmos uma decisão se é ou não para avançar", acrescentou João Pinto.

São Tomé e Príncipe e Comores são ilhas que a Universidade da Califórnia acredita serem favoráveis para esse novo estudo que servirá de experiência para a eliminação total do paludismo em África.

O professor do IHMT salientou que "estudos preliminares já feitos são promissores e demonstram que as populações de mosquitos são suficientemente isoladas das populações do continente, o que é um dado favorável".

"A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que esses tipos de estratégias sejam iniciadas em populações de mosquitos suficientemente isoladas, pelo que existe esperança de que, de facto, as condições que nós vamos encontrar em São Tomé e Príncipe nos permite fazer um estudo que não só contribua para a resolução do problema da malária neste país, mas que sirva de exemplo que nos permita tirar conclusões sobre a possibilidade de aplicar esta nova estratégia no continente africano", explicou João Pinto.

O ministro da Saúde, Edgar Neves, numa reunião recente com os diretores da Rádio Nacional (emissora oficial), televisão são-tomense e presidentes das câmaras distritais, revelou que nos últimos meses o índice de paludismo aumentou no país, incluindo na região autónoma do Príncipe, onde a doença já se encontrava em fase de erradicação.

Por isso, o Governo encara a proposta da Universidade de Califórnia como de "extrema importância", pois "trará um complemento importante na luta integrada contra o vetor e, consequentemente, na eliminação do paludismo".

"Importa referir que a estratégia de modificação populacional dos mosquitos pela Universidade da Califórnia pode constituir um contributo muito importante para a eliminação da doença no nosso país", reconheceu Edgar Neves.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.