Universidade Católica investe três milhões em apoio social aos alunos

Bolsas de mérito ou apoio a alunos com dificuldades. Universidade Católica tem vários programas de ajuda aos estudantes que a escolhem para frequentar o ensino superior

A Universidade Católica (UC) premiou 961 alunos com bolsas de mérito no ano letivo de 2017/18. Um investimento que rondou 1,5 milhões de euros e que teve como objetivo reconhecer a excelência académica dos estudantes que escolheram esta universidade para prosseguirem os seus estudos no ensino superior.

Inserida numa estratégia de incentivo aos alunos com maiores dificuldades a UC tem, desde 2016, apoiado um grupo de 142 estudantes que frequentam Medicina Dentária em Viseu e que estavam integrados num contrato programa entre o Estado português e esta universidade.

O compromisso passava pelo subsídio das propinas, o que o Estado deixou de fazer, segundo informação da universidade avançada ao DN.

Assim, a Católica decidiu assumir esse apoio - "coerente com o princípio de não gorar as dignas expectativas das famílias dos estudantes admitidos à universidade neste quadro e ainda da necessidade de apoiar a fixação no interior do país", adiantou fonte oficial da universidade - entre 2015 e 2018 assumido o pagamento de 945 mil euros. Para o ano letivo que está a começar serão 251 mil euros.

Além deste apoio, a universidade tem ainda ajudas diretas aos alunos no valor de cerca de 400 mil euros do seu orçamento a que junta as bolsas neste âmbito social pagas pela Direção-Geral do Ensino Superior. No total são 1,5 milhões disponibilizados em cada ano letivo.

Na nota enviada ao DN, a UC frisa que o valor total do apoio social que presta é de 3,2 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."