Lua vermelha passou por cá. O próximo eclipse assim só ocorrerá daqui a 100 anos

Foi a partir das 20.30 em Lisboa e das 20.47 no Porto que a Lua se ergueu nos céus de Portugal, para entrar em eclipse total.

Hoje houve eclipse total da Lua, o mais longo do século. Leia o guia completo do fenómeno.

Porque lhe chamam Lua vermelha?

Chamam-lhe vermelha, mas na verdade é mais ocre. O satélite da Terra, que inspirou poetas e românticos de todas a gerações, ganha este colorido avermelhado sempre que, em fase de Lua cheia, atravessa a sombra projetada pela Terra, quando esta se interpõe entre ela e o Sol. É um eclipse lunar total. E é o halo da atmosfera da Terra que, ao espalhar a luz do Sol em redor, contribui para o tom vermelho que a colora.

Porquê? Porque os comprimentos de onda do laranja e do vermelho são menos dispersos do que os violetas e chegam em maior quantidade à Lua. As diferentes tonalidades observadas num eclipse lunar decorrem também da saturação da atmosfera terrestre, com poeiras provenientes, por exemplo, de atividade vulcânica recente, ou de fenómenos meteorológicos de grande dimensão. Quanto maior for a quantidade de poeiras na atmosfera, mais escuros serão o eclipse e a coloração da Lua.

O que é um eclipse total da Lua?

Um eclipse total da Lua é um fenómeno astronómico que ocorre quando a Terra se encontra entre o Sol e a Lua e os três estão alinhados. A Terra projeta assim a sua sombra sobre a Lua. O fenómeno sucede quando a Lua, em fase de Lua cheia, passa nos seus nodos ou na sua proximidade. São mais raros do que os eclipses do Sol. Pode haver três num ano, e pode haver anos sem nenhum.

Foi visível em Portugal?

Sim. Quando a Lua nasceu no horizonte, em Portugal - às 20.38, em Lisboa, às 20.47, no Porto, às 20.51 em Ponta Delgada e às 21.05 no Funchal - estava já em eclipse total, ou seja, inteiramente na sombra da Terra.

Marte esteve também excecionalmente brilhante, como não o víamos desde 2003, dada a sua maior proximidade da Terra, na dança de órbitas dos dois planetas. Saturno, Júpiter e Vénus poderão ser observados no céu, do lado direito.

Quanto tempo durou o fenómeno?

O eclipse teve uma duração de cerca de uma hora e 45 minutos no total, mas em Portugal será visível durante cerca de 50 minutos, pois quando a Lua nasce já está em eclipse total.

O que tem de particular este eclipse total da Lua?

É o mais longo do século, com a duração de uma hora e 45 minutos, o que é dois minutos a mais do que todos os outros que ocorreram desde 2000, ou que vão ainda ocorrer até 2100. Os dois minutos a mais têm sobretudo que ver com questões de geometria: na sua ronda pelo céu, a Lua passa exatamente no centro da sombra da Terra.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

Igreja Católica

Premium Quando Deus dá poder para o crime

O número três do Vaticano está acusado de abuso sexual na Austrália, o número dois é suspeito de encobrimento num processo em França, no Chile há rusgas ao bispado e o relatório da Pensilvânia choca o mundo. Mais de 20 anos após os primeiros escândalos de abuso sexual de menores terem abalado a Igreja Católica, a dimensão do crime e do seu encobrimento continua a surpreender. Há redenção possível para uma organização que propicia tais horrores?