Tem tosse? Mel é melhor que antibióticos, recomendam médicos ingleses

De acordo com as novas orientações, em Inglaterra, os médicos devem promover o mel e os medicamentos não sujeitos a receita médica. Em causa está a prescrição excessiva de antibióticos, um problema que também ocorre em Portugal

Remédio caseiro para a tosse, o mel deverá vir a ser recomendado pelos médicos ingleses para o tratamento da mesma - uma alteração das diretrizes que tem em vista a diminuição do uso de antibióticos.

Segundo as diretrizes propostas pelo Instituto Nacional de Excelência Clínica e de Saúde (NICE) da Grã-Bretanha, citado pelo The Times, os médicos não devem enviar os doentes com tosse para a farmácia, mas sim para a cozinha, para que tomem uma colher de mel.

Ou seja, os antibióticos não devem ser recomendados como tratamentos de primeira linha para a tosse. Pelo contrário, os doentes devem ser aconselhados a ter alguns cuidados se tiverem uma tosse causada por frio, gripe ou bronquite.

Por cá, Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), considera que é necessário reduzir a prescrição de antibióticos para a tosse, mas tem dúvidas quanto à utilidade do mel.

A inclusão de mel nas diretrizes em Inglaterra, conta o jornal, surge na sequência de estudos que mostram que pode aliviar os sintomas, o que não tem acontecido com outros remédios caseiros.

De acordo com uma investigação publicada este ano, 41% das consultas de doentes com tosse resultaram na prescrição de antibióticos, uma percentagem que não deveria ser superior a 10%. Esta medida visa ajudar a diminuir a resistência aos antibióticos, reduzindo a prescrição dos mesmos.

Excesso de antibióticos em Portugal

Embora não existam estudos, Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), tem a perceção de que a situação em Portugal não será muito diferente. "Há um estigma que associa a tosse à tuberculose e a outras doenças graves, pelo que os doentes esperam que a tosse seja resolvida com antibióticos. Mesmo entre os médicos, há a convicção de que são benéficos", lamenta.

Na grande maioria das situações, prossegue, "o que está em causa é uma bronquite aguda, que nada tem a ver com infeções graves e que, portanto, não necessita de antibióticos".

Em Portugal, viveu-se uma situação atípica este ano: "Tivemos poucos casos de gripe e muitos de bronquite. Nunca vi tantos doentes com bronquite". Embora tenda a ser menos grave do que a gripe, a bronquite pode gerar situações mais graves na população mais velha e com outras patologias. "Em situações muito específicas, podemos precisar de usar antibiótico, mas são casos excecionais".

Se houver expetoração, Rui Nogueira diz que "é necessário haver tosse". E há situações em que podem "ter de ser usados fármacos antitússicos", nomeadamente quando existe tosse irritativa.

Será que o mel faz mesmo bem?

Quanto à utilização do mel para o tratamento da tosse, o presidente da APMGF diz que "há a noção de o mel ser mucolítico", mas considera que "não haverá qualquer relação, a não ser o bem-estar". Admite, no entanto, que possa existir. "Mas eu não conheço", frisa.

Além do mel, o NICE lembra que há outros medicamentos para a tosse vendidos sem receita médica, à base de ervas, que também apresentam benefícios.

O mel não deve, no entanto, ser dado a crianças com menos de 12 anos, devido ao risco de botulismo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.