Respirar ar poluído pode provocar mudanças no coração

Um estudo da Universidade de Londres Queen Mary demonstrou que as alterações foram detetadas em pessoas que vivam em zonas com níveis de poluição abaixo dos permitidos no Reino Unido

A exposição regular a níveis de poluição do ar, ainda que muito baixos, pode causar alterações no coração semelhantes às que acontecem nos estágios iniciais de insuficiência cardíaca. Esta foi a conclusão de um estudo realizado no Reino Unido com 4 mil pessoas.

A investigação demonstrou que as pessoas que viviam em zonas mais poluídas - nas proximidades de estradas com muito tráfego - tinham corações maiores do que aquelas que viviam em áreas menos poluídas. O mesmo efeito foi detetado em quem vivia em zonas com níveis de poluição abaixo das diretrizes do país.

A equipa de cientistas, liderada pela Universidade de Londres Queen Mary, analisou os dados de pessoas que não tinham problemas cardíacos subjacentes e que fizeram parte do estudo do Biobank. Foi analisado o tamanho, o peso e a função dos corações, bem como os níveis de poluição das áreas em que viviam.

O estudo concluiu que existe uma clara ligação entre a exposição a níveis mais altos de poluição e a presença de ventrículos maiores, o que acontece em pessoas sedentárias ou que sofrem de pressão arterial elevada.

"A poluição do ar deve ser vista como um fator de risco e que pode causar alterações [no organismo]", disse Nay Aung, que liderou a investigação, citado pela BBC.

"Os médicos e a população têm de estar conscientes da exposição [à poluição} quando pensam sobre saúde cardíaca, tal como acontece sobre com a pressão arterial, o colesterol e o peso", acrescentou.

No entanto, Aung revelou que as mudanças no coração são pequenas e potencialmente reversíveis.

Participantes do estudo viviam longe das grandes cidades

Os locais onde as pessoas que fizeram parte do estudo viviam não foram revelados, mas a grande maioria situava-se longe das principais cidades do Reino Unido. Todos tinham níveis de população muito abaixo dos limites atuais do país, refere ainda o estudo.

As diretrizes, no Reino Unido, são de 25 microgramas por metro cúbico, ainda longe do limite recomendado pela Organização Mundial de Saúde que aconselha que não se ultrapasse as 10 microgramas por metro cúbico.

A poluição por partículas finas - como é o caso - é particularmente perigosa porque pode penetrar profundamente nos pulmões e no sistema cardiovascular.

A exposição ao dióxido de azoto variou entre 10 a 50 microgramas por metro cúbico - os limites do Reino Unido e da OMS são de 40 microgramas por metro cúbico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.