Regresso às aulas. Sete cuidados a ter com a coluna dos seus filhos

Cerca de 50% das crianças até aos 15 anos sentem dores nas costas, revela um estudo publicado pelo American Journal of Neuroradiology

Postura incorreta à secretária, excesso de peso na mochila, falta de exercício físico e demasiado tempo passado com dispositivos eletrónicos. Estas são algumas das razões que podem causar dores na coluna. Com o regresso às aulas a aproximar-se o médico Luís Teixeira refere alguns cuidados a ter para evitar lesões nas costas.

"A fase escolar é marcada por transformações significativas na vida das crianças e adolescentes, a nível motor e psicossocial, pelo que é importante que os pais estejam atentos às queixas dos filhos e que intervenham na sua correção postural a fim de criar bons hábitos preventivos", aconselha o médico ortopedista e presidente da Associação Sem Fins Lucrativos Spine Matters, Luís Teixeira, num comunicado enviado às redações.

O médico recomenda aos pais que tenha atenção às seguinte situações:

1. Os aparelhos tecnológicos contribuem para uma postura incorreta. Ao usar o computador ou o telemóvel, tendencialmente, a cabeça está curvada, o pescoço fica em esforço e o corpo está apoiado nos cotovelos. Desta forma, há uma maior probabilidade de desenvolver problemas nas zonas lombar e cervical.

Conselho: Limite o tempo que os seus filhos passam ao computador, insista para que mantenham as costas bem apoiadas na cadeira e para que movimentem o pescoço e os ombros para aliviar a pressão da cervical.

2. A má postura à secretária pode desenvolver restrições musculares. É importante estar sentado em cadeiras confortáveis, que não sejam muito rígidas, e que tenham espaço para colocar os braços em ângulo reto. Os pés devem estar bem apoiados no chão a formar um ângulo de 90 graus.

Conselho: Incentive os seus filhos a estarem bem sentados e a fazerem pausas para alongar a cada 40 minutos.

3. Mochilas pesadas aumentam as dores na coluna e na cabeça, provocam também desconcentração nas aulas. Luís Teixeira refere que há alunos que chegam a carregar 15% do seu peso às costas em material escolar.

Conselho: Pese as mochilas e aconselhe os seus filhos a retirar tudo o que possa ser desnecessário. As alças da mala devem estar ajustadas e o peso distribuído de forma uniforme. Ao contrário do que muitas vezes é dito, as mochilas com rodas não são a melhor solução, uma vez que colocam o peso todo de um lado.

4. Praticar exercício físico ajuda a fortalecer os músculos, a ter melhor postura e maior mobilidade. A prática desportiva ajuda ainda a combater a obesidade, uma das principais causas de dores nas costas em qualquer idade.

Conselho: incentive os seus filhos a fazerem desporto. Os exercícios aquáticos são os melhores porque não têm impacto nas articulações e porque permitem às crianças ter mais liberdade de movimento, beneficiam também a respiração e a circulação.

5. O colchão errado pode causar má postura durante o sono. É ainda importante verificar que o corpo, a cabeça e a coluna estão alinhados - esta é ​​​​​​​a postura correta para dormir.

Conselho: as almofadas das crianças devem ser mais baixas que as dos adultos, por causa da sua relação cabeça/tronco.

6. O stress ajuda a desenvolver tensões musculares desproporcionais. A ansiedade que os trabalhos da escola podem causar não deve ser negligenciada.

Conselho: ajude os seus filhos a criarem tempo livre para aliviar a pressão da escola.

7. Atenção aos sinais. Os pais devem ouvir e valorizar as queixas dos filhos, por exemplo, perceber se a mochila está a deixar marcas nas costas.

Conselho: se os seus filhos se queixarem durante mais de uma semana com uma dor nas costas deve ponderar levá-los a um especialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."