Degelo no Ártico leva onda de turistas ao Alasca

Há um novo destino turístico por causa das alterações climáticas: o Alasca. Os novos visitantes, dizem os operadores turísticos, querem ver ao vivo o degelo no Ártico e o recuo dos glaciares

O rápido degelo dos glaciares devido às alterações climáticas criou um novo mercado para os operadores turísticos do Alasca, nos Estados Unidos.

O jornal Anchorage Daily News noticiou que as operadoras de várias empresas de turismo estão a registar um aumento em reservas de viagens de grupos que querem assistir ao recuo do gelo, em curso na região, onde está localizado o único estado ártico do país.

Uma nova revisão dos dados da investigação sobre o degelo no círculo polar Ártico, que foi publicada na revista científica da International Glaciology Society, o Journal of Glaciology, prevê que os 25 mil glaciares do Alasca perderão entre 30% e 50% de sua massa até ao final do presente século.

A perspetiva, e o que já está a ocorrer no terreno, gerou este outro fenómeno de novos visitantes que pretendem ver ao vivo os efeitos das alterações climáticas no recuo do gelo. De acordo com o Anchorage Daily News, as operadoras turísticas dizem que os novos turistas são sobretudo oriundos da Austrália e de mercados emergentes como China e Índia.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.