Powehi. Buraco negro recebe nome havaiano

Dar um nome havaiano ao buraco negro cuja imagem foi revelada esta semana justifica-se pelo facto de o projeto incluir dois radiotelescópios localizado no Havai.

Pela primeira vez na história, os cientistas conseguiram obter uma imagem de um buraco negro. Agora, o misterioso objeto cósmico que foi a estrela dessa primeira fotografia foi batizado: Powehi.

O nome é havaiano e significa "criação adornada escura e insondável" ou "fonte escura embelezada de criação infinita". A palavra vem do Kumulipo, um canto épico do século XVII que conta a história de como o mundo foi criado durante uma noite cósmica.

Segundo o jornal The Honolulu Star-Adverstiser, citado pela AP, "po" é uma profunda fonte obscura de criação sem fim, enquanto Wehi, que significa honrado com enfeites, é uma das descrições de "po" no canto épico.

O responsável pelo "batismo", que está a ser bem recebido pelos astrónomos, foi o professor de língua havaiana Larry Kimura, da Universidade de Hawaii-Hilo.

"Ter o privilégio de dar um nome havaiano à primeira confirmação científica de um buraco negro é muito significativo para mim e para a minha linhagem que vem do 'po'", disse Kimura.

Dar um nome havaiano ao buraco negro justifica-se porque o projeto inclui dois radiotelescópios do Havai (num total de oito em todo o mundo). O buraco negro que foi fotografado está no centro da galáxia Messier 87, na constelação de Virgem, a 55 milhões de anos-luz da Terra. A sua massa é 6,5 mil milhões de vezes superior à do Sol.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.