Ovário artificial promete ajudar mulheres com cancro a engravidar

Investigadores dinamarqueses fabricaram em laboratório um protótipo a partir de tecido humano e óvulos. A técnica está a ser testada em cobaias

Pode demorar até 10 anos a esta técnica estar pronta a ser utilizada em mulheres que estejam em risco de perder a fertilidade devido a tratamentos de cancro e outras terapias, revela o jornal The Guardian .

O ovário artificial, criado em laboratório por uma equipa de investigadores de Rigshospitalet em Copenhaga, promete ajudar as mulheres com cancro a engravidar.

O protótipo foi criado a partir de tecidos do órgão e de óvulos recolhidos antes de a paciente começar os tratamentos com quimioterapia ou radioterapia, o que permite que estes sejam congelados e, findo os tratamentos, reimplantados para a mulher poder ter filhos normalmente.

"Tivemos a primeira prova de que realmente conseguimos manter os óvulos. É um passo importante", declarou Susanne Pors, uma das investigadoras do projeto, ao The Guardian. "Mas ainda temos muitos anos pela frente antes de o conseguirmos implantar numa mulher", declara, revelando que pode demorar "uns 10 anos" a ser aplicada a técnina que, para já, está apenas a ser testada em cobaias.

Para a maioria das doentes este procedimento é totalmente seguro, menos nos casos de cancros como o do ovário ou leucemia, uma vez que o reimplante acrescenta probabilidades à doença de voltar.

A equipa de liderada por Susanne Pors acredita que os ovários artificiais são a opção mais segura. Os resultados desta experiência vai ser apresentada esta semana em Barcelona, no encontro anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.