Ovário artificial promete ajudar mulheres com cancro a engravidar

Investigadores dinamarqueses fabricaram em laboratório um protótipo a partir de tecido humano e óvulos. A técnica está a ser testada em cobaias

Pode demorar até 10 anos a esta técnica estar pronta a ser utilizada em mulheres que estejam em risco de perder a fertilidade devido a tratamentos de cancro e outras terapias, revela o jornal The Guardian .

O ovário artificial, criado em laboratório por uma equipa de investigadores de Rigshospitalet em Copenhaga, promete ajudar as mulheres com cancro a engravidar.

O protótipo foi criado a partir de tecidos do órgão e de óvulos recolhidos antes de a paciente começar os tratamentos com quimioterapia ou radioterapia, o que permite que estes sejam congelados e, findo os tratamentos, reimplantados para a mulher poder ter filhos normalmente.

"Tivemos a primeira prova de que realmente conseguimos manter os óvulos. É um passo importante", declarou Susanne Pors, uma das investigadoras do projeto, ao The Guardian. "Mas ainda temos muitos anos pela frente antes de o conseguirmos implantar numa mulher", declara, revelando que pode demorar "uns 10 anos" a ser aplicada a técnina que, para já, está apenas a ser testada em cobaias.

Para a maioria das doentes este procedimento é totalmente seguro, menos nos casos de cancros como o do ovário ou leucemia, uma vez que o reimplante acrescenta probabilidades à doença de voltar.

A equipa de liderada por Susanne Pors acredita que os ovários artificiais são a opção mais segura. Os resultados desta experiência vai ser apresentada esta semana em Barcelona, no encontro anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.