O exercício físico, afinal, tira o apetite - e combate a obesidade

Estudo mostra como o exercício regular interfere com os circuitos neuronais que induzem e cancelam o apetite. A longo prazo o equilíbrio entre ambos acaba por ser um bom antídoto contra os excessos alimentares e a obesidade

Está tudo no cérebro. É isso, pelo menos, que mostra um estudo publicado por uma equipa de investigadores da Universidade do Texas, que resolveu testar em ratinhos o que se passa nos circuitos neuronais relacionados com o apetite, quando os animais são sujeitos a uma regime prolongado de exercício moderado.

A ideia era tentar perceber a aparente contradição entre o apetite que o exercício físico induz, e o resultado prático, a longo prazo, de o desporto combater os excessos alimentares e a obesidade. Em que ficamos? - perguntaram-se os cientistas.

10378943

A resposta está na forma como os circuitos de indução e bloqueio do apetite são afetados pela prática desportivas, revelam os autores no estudo que publicaram na revista Molecular Metabolism.

Para perceber como esses mecanismos neuronais funcionam, a equipa de Kevin W. Williams, um especialista nos circuitos neuronais do hipotálamo, da Universidade do Texas, decidiu fazer uma experiência que pudesse elucidar a forma como eles se relacionam entre si utilizando ratinhos aos quais foi aplicado um regime de corrida.

Os animais foram sujeitos a um período global de 60 minutos de corrida, com três períodos de 20 minutos de descanso, após o que os animais podiam comer.

Os resultados mostraram que havia mais atividade no circuito neuronal que faz diminuir o apetite nos ratinhos corredores e que, a longo prazo, essas alterações tendiam a manter-se, o que, segundo Kevin W. Williams, tal como afirmou ao The New York Times, permite compreender "por que muitas pessoas dizem não ter grande apetite nas horas seguintes a uma prática desportiva".

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.