"Fósseis mais antigos do mundo" serão afinal rochas

Em 2016 foi anunciada a descoberta, na Gronelândia, de registos fósseis de micro-organismos que teriam vivido há 3700 milhões de anos. Mas estudo independente diz que as formações em causa não tiveram origem biológica

Uma equipa de investigadores norte-americanos e dinamarqueses refutou a autenticidade daqueles que foram descritos como os fósseis mais antigos do mundo, com 3700 milhões de anos. Os cientistas defendem, num novo estudo publicado na revista Nature, que as formações encontradas na Gronelândia, e que foram identificadas como estromatólitos (pequenas rochas fósseis), são na realidade o resultado de fenómenos geológicos e não tiveram origem orgânica.

O estudo original, também publicado na Nature em 2016, e liderado por Allen Nutman, da Universidade de Wollongong (Austrália), defendia que as formações em causa tinha sido geradas por micro-organismos que se alimentavam de sedimentos num mar pouco profundo. A "descoberta" gerou enorme interesse e debate na comunidade científica, já que aumentava em cerca de 220 milhões de anos a idade dos fósseis mais antigos descobertos no planeta.

Os montículos, então identificados como estromatólitos, foram revelados pelo degelo causado pelas alterações climáticas, e levaram muitos cientistas a admitir que poderiam surgir no futuro novas evidências de que a vida na Terra ocorreu mais cedo - e com maior facilidade - do que até agora se supunha.

Conclusões que são agora postas em causa, ainda que o debate não tenha terminado. No estudo original, Nutmann considerava que a morfologia e composição química do achado descartava uma origem não biológica pelo que, muito provavelmente, serão ainda necessárias novas investigações independentes para esclarecer quem tem afinal razão.

Caso se confirme que as formações rochosas não são orgânicas, o registo mais conhecido de vida no planeta continuarão a ser os estromatólitos de Pilbara, na Austrália, com 3450 milhões de anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?