Mulher quebra recorde do pi

Uma colaboradora da Google quebrou o recorde mundial do cálculo do número pi. Emma Haruka Iwao diz que este era o seu "sonho de infância".

O dia do pi, dia 14 de março (3.14, no formato de data americano) foi celebrado com um novo recorde mundial do cálculo do número. A colaboradora da Google do Japão, Emma Haruka Iwao calculou 31.415.926.535.897 triliões de dígitos do pi, anunciou hoje a Google.

Iwao ultrapassou o recorde anterior de 22 triliões, alcançado por Peter Trueb em 2016. Esta afirma ser fascinada pelo número desde criança e apelida o recorde de um "sonho de longa data", citando a CNN. A mulher admite trabalhar no pi desde os doze anos, quando instalou pela primeira vez umsoftware no seu computador para calcular o número, apesar de se ter envolvido mais no projeto, nos últimos quatro meses.

A programadora da Google Cloud admitiu ter utilizado 25 máquinas virtuais para conseguir alcançar o recorde de 31 triliões de dígitos, também o primeiro a ser feito pela nuvem. Iwao admite ter tido a ajuda de Alexender Yee, que desenvolveu um programa chamado "y-cruncher", feito para calcular o pi e do seu ex-professor e recordista mundial do número, Daisuke Takahasi, que a aconselhou com estratégias técnicas.

O Guiness World Records reconheceu a descoberta da colaboradora da Google, na passada quarta-feira, tornando-a oficialmente a terceira mulher a estabelecer um recorde mundial do cálculo do número. Contudo, a mulher afirma que o seu envolvimento com o número não fica por aqui. "Não há um fim no pi, eu adoraria tentar com mais dígitos" disse à BBC.

Os 31.415.926.535.897 dígitos do cálculo de Iwao estão disponíveis para qualquer pessoa que queira utilizar os números, algo que, antigamente, só estava disponível ao enviar um disco rígido por correio. A recordista disse à CNN estar confiante com o futuro da tecnologia e em um cálculo maior. "Estamos a investir na nuvem e ela está a ficar melhor com o tempo" disse.

O número pi obtém-se ao dividir a circunferência de um círculo pelo seu diâmetro. Os primeiros dígitos, 3,14, são conhecidos mas o número é infinitamente longo. "A Matemática moderna, a física, a engenharia e a tecnologia não poderiam funcionar sem o pi", afimou o matemático Matt Parker, citando a BBC.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.