Mulher, portuguesa e agora também cientista-astronauta - a primeira

Já lá vão alguns anos desde que Ana Pires levantou os pés da terra. Foi das rochas até à paixão pelo espaço e chegou à NASA.

Nem a NASA ficou indiferente ao talento e à ambição de Ana Pires. Já vestiu o célebre fato branco da cabeça aos pés, já sobrevoou a mesosfera e até testou a conhecida força G. No feminino, foi a primeira a levar Portugal até ao programa PoSSUM da agência espacial norte-americana, onde receberia o diploma que lhe daria o título de primeira cientista-astronauta portuguesa neste curso.

Entre as centenas de candidaturas, lá estava ela, como uma das 12 pessoas selecionadas para o programa de investigação PoSSUM da NASA, lecionado na Florida, EUA, que incide sobre o tema "Ciência suborbital polar na alta mesosfera".

A paixão pelo espaço nasceu depois da paixão pelas rochas, pelo mar e pela robótica. Ana Pires é licenciada em Engenharia Geotécnica e Geoambiente pelo Instituto Superior de Engenharia do Politécnico do Porto (ISEP). Mais tarde, às rochas juntou a robótica, com um mestrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores. E, atualmente, é investigadora no Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência ( INESC TEC), onde desenvolve projetos de mineração subaquática.

Em outubro deste ano, receberia o diploma da agência espacial norte-americana e o título de primeira mulher portuguesa cientista-astronauta no PoSSUM. Partilhou numa turma com engenheiros aeroespaciais, astrofísicos, médicos e pilotos vindos de vários cantos do mundo. O curso tinha como objetivo preparar os formandos para voos espaciais suborbitais como cientistas e formar precisamente cientistas-astronautas.

Durante mais de um mês, foi-lhes dada a "oportunidade de simular uma missão, com utilização de um fato especial, treinos em aviões de acrobacia aérea de habituação às forças G e treinos na câmara hiperbárica para que os efeitos de hipoxia pudessem ser observados", contou, em comunicado.

A portuguesa acredita que este pode ser "o primeiro passo para continuar uma formação especializada na indústria espacial". "Existem inúmeros cursos no âmbito deste programa e eu estou muito interessada em continuar a trabalhar e continuar a perseguir este sonho", pode ler-se.

Apesar de ter sido a primeira mulher portuguesa inserida neste programa, não foi a primeira vez que um português esteve nesta lista de formandos. Também o português Rui Moura passou por esta experiência. Ana Pires viria a concorrer cerca de dois anos mais tarde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.