Cinco japonesas entre os dez mais velhos do mundo

O Guinness World Records reconheceu a japonesa Kane Tanaka, de 116 anos, como a pessoa mais velha do mundo. Há outras quatro representantes daquele país numa lista de "supercentenários" dominada pelo sexo feminino

A japonesa Kane Tanaka, nascida a 2 de janeiro de 1903, recebeu neste sábado um certificado do Guiness Book of World Records, no lar de idosos onde vive em Fukuoka, no Sudoeste do Japão. Com 116 anos, Tanaka é oficialmente a pessoa mais velha do mundo. Lidera uma lista de 36 supercentenários dominada pelas mulheres e pelo seu país, que conta com cinco representantes entre as dez pessoas mais velhas do planeta.

De acordo com o último balanço do Gerontology Research Group, entidade que se dedica ao levantamento, confirmação e validação dos supercentenários do planeta, todas das 36 pessoas mais velhas do mundo são mulheres. E a listagem oficial, divulgada nesta sexta-feira, retira as dúvidas sobre o predomínio nipónico neste campo. Além da líder da tabela, que tinha à data 116 anos e 66 dias confirmados, surge em quarto lugar Shin Matsushita (114 anos, 344 dias), em sexto Shigeyo Nakachi (114 anos e 36 dias), em sétimo Haruno Yamashita (114 anos e 18 dias), que tal como Tanaka é natural da região de Fukoka, e em oitavo Kame Ganeko (113 anos e 333 dias).

No top dos supercentenários, expressão que se refere às pessoas vivas que atingiram pelo menos os 110 anos de idade, o segundo lugar é ocupado pela italiana Maria-Giuseppa Robucci-Nargiso (115 anos e 354 dias) e o terceiro pela francesa Lucile Randon (115 anos e 26 dias). A França é o único outro país a inscrever mais do que um nome nos dez primeiros, com Jeanne Bot (114 anos e 54 dias) a surgir no quinto lugar. A canadiana Ellen Gibb (113 anos e 317 dias) e a norte-americana Alelia Murphy (113 anos e 246 dias) ocupam respetivamente o nono e o décimo lugar.

Atualmente não há homens na lista dos supercentenários. O mais velho representante do sexo masculino de que há registo foi o também japonês Masazou Nonaka, que morreu no passado dia 20 de janeiro com 113 anos e 179 dias.

Alimentação e estilo de vida explicam segredo japonês

Sétima de oito irmãos, Kane tanaka casou-se em 1922 com Hideo Tanaka, com quem teve quatro filhos e adotou um. Gosta de jogar jogos de tabuleiro - nomeadamente o famoso "Reversi" - e de estudar matemática. Acorda habitualmente às seis da manhã.

No ano passado, o número de centenários atingiu um máximo histórico no Japão. Em setembro, 69 785 pessoas viviam há 100 ou mais anos e uns esmagadores 88,1% eram mulheres, de acordo com o Governo de Tóquio, que atribuiu o recorde aos avanços da medicina e ao aumento da consciência sobre a saúde.

Numa nação cuja tradição culinária se centra em peixe, arroz, vegetais e outros alimentos com baixo teor de gordura, a obesidade, por exemplo, ainda é relativamente rara.

No entanto, Tanaka ainda tem um caminho a percorrer antes de se tornar a pessoa mais velha de sempre, feito alcançado pella francesa Jeanne Louise Calment, que viveu até aos 122 anos, segundo o Guinness World Records.

A identidade do homem mais velho do mundo ainda está sob investigação, após a morte de Masazou Nonaka.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.