Mudança de hora: portugueses querem relógio igual no verão e no inverno

Resultado de sondagem diz que a maioria dos portugueses prefere ter a mesma hora durante o ano inteiro. À semelhança do inquérito da Comissão Europeia

A maioria dos portugueses não querem mudança de hora durante o ano. É isso que diz o resultado de um estudo de opinião publicada pelo Correio da Manhã, elaborada pela Aximage, onde 60,7% dos 601 inquiridos afirmam que preferem manter a hora - dados que vão no mesmo sentido dos resultados da consulta pública levada a cabo pela Comissão Europeia.

Segundo os resultados do estudo, apenas cerca de um terço dos portugueses está a favor de manter os horários de verão e de inverno. A Área Metropolitana do Porto (68,4%) e o Litoral Norte (68º%) são as regiões onde se encontra mais gente contra a mudança de hora. Na região Sul e nas ilhas, só 50,3% é contra, enquanto 43,7% quer manter os dois horários.

No inquérito europeu, que abrangeu 4,6 milhões de pessoas, 84% responderam que preferem manter a mesma hora. Até abril, a Comissão e o Parlamento Europeu deverão tomar uma decisão.

O assunto tem sido polémico, com os cientistas a alertarem para as desvantagens de manter o mesmo horário todo o ano. O Observatório Astronómico de Lisboa foi uma das instituições a sublinhar os riscos para a saúde que uma decisão destas acarretaria, nomeadamente para as crianças que passariam a entrar na escola ainda de noite.

O primeiro-ministro, António Costa, já disse entretanto que quer manter os horários de verão e de inverno.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.