Metálicos brasileiros dão nome a vinho alentejano

Sepultura, uma das bandas mais conhecidas de death e thrash metal, dá nome a dois vinhos alentejanos.

A banda brasileira de death e thrash metal Sepultura dá o nome a dois vinhos: Sepultura branco e Sepultura tinto. Estes foram apresentados no final de dezembro em Amesterdão e já tinham estado em prova na edição do ano passado do Rock in Rio Lisboa.

Este projeto resultou das vontades da banda, da editora MusiConsult, do produtor alentejano Roquevale e dos importadores holandeses Drankgigant, segundo noticia o site da Vinhos do Alentejo.

A divulgação destes vinhos a que a banda criada em 1984 dá nome destaca as qualidades do grupo fundado pelos irmãos Max e Igor Cavalera - o ritmo, poder e fogo - como as que um bom vinho deve possuir.

Estes vinhos são produzidos a partir de uvas cultivadas e envelhecidas no Alentejo e desprovidas de aditivos químicos, garante a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana.

Esta não é a primeira vez que um grupo se associa a um produtor para dar nome a um vinho. Em 2011 a Herdade São Miguel da Casa Agrícola Alexandre Relvas assinalou os 30 anos de carreira dos Xutos e Pontapés com o lançamento de um vinho tinto alentejano - da colheita de 2009 - que foi distinguido com o selo de garantia Uva de Ouro em 2015.

No ano antes tinha recebido uma medalha de ouro no Decanter World Wine Awards que teve lugar em Londres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.