Mais um casal pré-histórico junto. Mantém-se o mistério por que se sepultavam em conchinha?

Escavações no Cazaquistão mostram ossadas de um casal sepultado lado a lado. Ao lado estão os esqueletos de dois cavalos a puxar uma carruagem

Um casal com 5000 anos foi encontrado sepultado junto, em região de Karaganda, no Cazaquistão. As ossadas do casal pré-histórico foram encontradas lado a lado, na posição fetal, e com objetos. Ele estava armado com setas e um punhal e ela tinha uma pulseira verde com pedras semipreciosas.

Ao lado desta campa, estava uma outra com dois cavalos - que os arqueólogos acreditam terem sido sacrificados para o ritual do enterro - que puxam uma carruagem da Idade do Bronze, em direção à vida no Além. Os arqueólogos encontram ainda uma outra sepultura (vandalizada) junto a estas duas e onde mais uma vez aparecia um casal lado a lado.

Esta não é a primeira vez que casais deste período aparecem em campas juntos. O que leva a uma questão: porque eram sepultados juntos os casais da pré-história?

O arqueólogo Igor Kukushkin, responsável pelas escavações e professor da Universidade de Karaganda, em declarações citadas pelo Daily Mail, levanta a dúvida se estes casais estavam juntos antes de morrer e se assim era, morreram ao mesmo tempo ou um deles sacrificou-se para ficarem sepultados juntos? Outra hipótese é de que poderiam ser apenas um homem e uma mulher que morreriam mais ou menos na mesma altura e acabavam juntos para serem um casal depois de mortos.

"Casais sepultados desta forma não são uma raridade na nossa zona, mas a questão de como a segunda pessoa se juntou ao primeiro que morreu é ainda uma incógnita", refere. "Terá a mulher - ou o homem - sido morta para garantir que seguia a sua metade? Eram este homem e esta mulher casados em vida? Ou homens e mulheres que não estavam relacionados eram tornados num casal porque morriam ao mesmo tempo?"

À primeira vista não há sinais de violência em nenhum dos esqueletos, o que pode descartar a hipótese de um deles era morto ou suicidava-se na altura em que o outro morresse. No entanto, Igor Kukushkin adianta que serão precisas mais investigações para perceber se era mesmo assim.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.